Comores tem religião oficial definida por referendo

A partir de agora a constituição estabelece que a população deve cumprir o islamismo sunita

| 07/08/2018 - 00:00

Cristãos comorenses podem ser processados e encaram duras discriminações

Cristãos comorenses podem ser processados e encaram duras discriminações


No final do mês de julho, foi realizado um referendo em Comores com relação a uma reforma constitucional. O objetivo foi escolher qual a religião oficial do país, com o “sim” tendo uma esmagadora vitória, o que declarou o estado islâmico sunita. A constituição foi alterada e agora estão estabelecidos princípios e regras para o cumprimento da religião sunita.

De acordo com uma fonte local, a decisão deve ter um forte impacto sobre a minoria cristã do país. Em abril, o presidente Azali Assoumani suspendeu o tribunal constitucional por incompetência que, segundo analistas, foi uma tentativa de diminuir a ordem jurídica no país. Durante sua campanha, Assoumani apelou ao povo que votassem para a extensão do mandato presidencial prometendo que medidas mais severas seriam tomadas com aqueles que não são sunitas. A emenda constitucional dá a ele o direito de concorrer a outra eleição presidencial, o que antes não era possível já que esse poder se alterava a cada cinco anos entre as três ilhas do país.

Números do World Christian Database mostram que mais de 95% da população comorense é muçulmana sunita, o que torna os 2,1% de cristãos e islâmicos xiitas do país alvos. Com os anos, houve um crescimento do islamismo radical entre a população, oficiais do governo, líderes religiosos e grupos de jovens muçulmanos, o que tem preocupado os cristãos. Oficiais do governo obrigam pais a enviarem seus filhos para as madraças e ali líderes muçulmanos ensinam sentimentos anticristãos.  

No país, além dos cristãos ex-muçulmanos poderem ser processados, também encaram duras discriminações. O Estado nega espaços de adoração para cristãos no geral. Além disso, os djaulas, grupo ultraconservador radical que são contra os convertidos, pressionam o país a adotar uma visão mais extrema da sharia (conjunto de leis islâmicas).

Pedidos de oração

  • Ore pela Igreja Perseguida de Comores, que eles possam permanecer firmes após essa mudança constitucional.
  • Apresente os líderes do governo, para que Deus trabalhe em suas vidas e eles possam exercer justiça através de seus cargos.
  • Peça ao Senhor para que cada vez mais muçulmanos sejam alcançados no país e que suas vidas sejam transformadas.

Leia também
Novos países na Lista Mundial da Perseguição 2018
Cristãos oprimidos nas Ilhas de Comores e da Tanzânia


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE