Cresce a perseguição no Nepal

Houve 36 incidentes contra cristãos somente no primeiro quadrimestre de 2019

Somente nos primeiros quatro meses de 2019, parceiros locais da Portas Abertas no Nepal registraram 36 incidentes de perseguição a cristãos. Entre eles, seis casos de pessoas que foram obrigadas a deixar sua casa, três casos de boicote social, quatro de abuso físico e dois de detenção. Tudo isso por um único motivo: a fé cristã. Houve também casos de fake news e discurso de ódio contra cristãos.

Um parceiro local da Portas Abertas no Nepal explica que esses números ainda não dão conta do quadro geral, pois a comunicação e viagens dentro do país são muito difíceis. Há muitos lugares remotos e não alcançados onde pessoas enfrentam perseguição por seguir a Cristo. Assim, é muito difícil ter informação desses lugares. “Mas uma coisa é certa: a maioria das pessoas que se convertem a Cristo e anunciam isso publicamente são marginalizadas pela sociedade de imediato porque a comunidade acredita que a conversão seja uma violação da sua fé tradicional”, observa.

Além da pressão social e violência, recentes casos de prisões de cristãos por proselitismo exemplificam os perigos que os cristãos do país enfrentam, sobretudo os que querem declarar a fé abertamente. O código penal do Nepal proíbe conversão religiosa forçada e proselitismo. Os que forem considerados culpados de tais ofensas podem ser presos por cinco anos e multados em 50 mil rúpias nepalesas (o equivalente a cerca de 1.770 reais). Essa lei, promulgada dois anos atrás, está sendo implementada agora e usada contra cristãos que falam sobre o cristianismo ou que têm alguma organização não governamental entre os pobres.

O Nepal é um país de maioria hindu que ocupa a 32ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2019 e os cristãos do país contam com as orações da igreja livre para que prevaleçam diante das adversidades. Os grupos radicais hindus querem transformar o Nepal em um Estado hinduísta novamente, sendo esta a principal fonte de perseguição aos cristãos no país.

Pedidos de oração