Cristão perseguido relembra ataque do grupo Seleka

Depois de passar por uma triste experiência em campo de refugiados, hoje o pastor está disposto a seguir em frente

| 02/01/2018 - 00:00

A perseguição não consegue tirar a determinação dos filhos de Deus (Foto ilustrativa)

A perseguição não consegue tirar a determinação dos filhos de Deus (Foto ilustrativa)


Na última sexta-feira relatamos o testemunho do pastor Vogbia, que perdeu o filho nos conflitos na República Centro-Africana. Em continuidade, hoje, você vai conhecer a história do pastor Gilbert Bogolo. Ambos perderam suas igrejas e propriedades devido à violência do grupo Seleka. O pior ataque aconteceu no dia 5 de dezembro de 2013.

Até essa data, Bogolo era o pastor de uma igreja que tinha mais de 500 membros. Ele relembra o ataque: “Nós estávamos aterrorizados. Minha família e eu ficamos dentro de casa o dia inteiro, orando e esperando a situação se acalmar. Quando olhei para fora, vi um militar Seleka atirar nas pessoas aleatoriamente. Nem mesmo animais eram poupados”. 

Experiência no campo de refugiados

No dia seguinte, quando o conflito havia diminuído, Bogolo fugiu com a família para Mpoko, um campo de refugiados perto da região. A estrutura do campo era precária, as pessoas ficavam expostas a chuvas torrenciais, ao calor do sol e mosquitos, e não havia banheiros suficientes nem água para todos. A esposa e os dez filhos dormiam em cima de papelões. 

“Eles fingiam que estavam protegendo os desabrigados dos militares do Seleka, mas ao invés disso, eles extorquiam dinheiro e coisas valiosas dos refugiados indefesos. Ainda que houvesse soldados franceses por todo o campo, eles não ligavam para nossa situação”, relata Bogolo, que descreveu seus três meses no acampamento de refugiados como uma “experiência humilhante”.

O cristão perseguido diz que há uma ideologia extremista que alimenta a violência entre as comunidades. O ataque aumentou o medo de uma nova onda de violência e levou muitos comerciantes a fechar suas lojas e alguns moradores fugiram para outras áreas da capital. Agora quatro anos se passaram e ele se diz disposto a seguir em frente, pois com Deus o recomeço é possível. “Talvez um dia nós vamos entender porque ele permitiu que passássemos por essa experiência dolorosa”, diz Bogolo. 

Leia também:

Conferência encoraja empoderamento de líderes cristãos
Missão de paz da ONU terá reforço de 900 soldados
Crise centro-africana ganha atenção da ONU


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE