Cristãos enfrentam punições

| 11/04/2017 - 00:00


11-republica-do-congo-mulher

O que tem acontecido na República Democrática do Congo tem chocado a muitos que não tinham acesso às informações. Há pouco tempo, um jornalista congolês escreveu um livro denunciando várias práticas do grupo ADF (Allied Democratic Forces – Forças Democráticas Aliadas). Leia mais na matéria Perseguição aos cristãos congoleses target=_blank>Perseguição aos cristãos congoleses. Nicaise KibelBel Oka, que também é editor da revista “Les Coulisses”, disse que há filmagens dos campos da ADF que ajudam a compreender melhor a organização e a estrutura do grupo. “Através das imagens pode-se ver castigos extremos como chicotadas, crucificação e apedrejamento, ações que parecem ser práticas comuns entre eles”, revela.

Ao contrário de outras organizações terroristas, a ADF não publica seus atos. “Eles aproveitaram a floresta tropical dos Montes de Ruwenzori, que abriga o Parque Nacional de Virunga, e montaram sua base, a Medina, em 2004 para treinar e enviar jihadistas para diversas regiões. Nos vídeos, vimos crianças entre 8 e 10 anos, sendo treinadas em artes marciais e no uso de armas. O grupo usa de sedução e dinheiro para recrutá-los em mesquitas. A pobreza generalizada, reforçada por anos de instabilidade, criou um terreno de recrutamento fértil para esses jihadistas”, disse o autor do livro “O advento da jihad na República Democrática do Congo – o terrorismo islâmico desconhecido do ADF”.

Além disso, Oka relata que os militantes realizam sequestros em massa de moradores e civis. “Os jovens são usados como combatentes, crianças e mulheres são submetidos à escravidão sexual. Os militantes também visam centros médicos, farmácias e lojas para adquirir remédios e alimentos. As igrejas também pagam um alto preço, sendo atacadas pelos islâmicos. Com isso, o islã cresceu de 8% para 12%. Também vale alertar sobre o papel desempenhado pelos guardas da ONU. Tropas da Índia e do Paquistão são conhecidas por seu proselitismo ao islã. Eles contribuem amplamente para a construção de mesquitas através de zarat (doações)”, contou.

Sendo assim, o escritor levanta a seguinte questão: quem está combatendo o radicalismo islâmico na República Democrática do Congo? “Se a ONU, os militantes do ADF e o exército congolês estão lado a lado, quem está contra o terrorismo? Todos se beneficiam de ajuda financeira externa, além da extração de recursos naturais no país, como ouro, cacau e exploração madeireira, que são a maior fonte de renda dessa nação. Além disso, eles possuem muitos simpatizantes na Arábia Saudita, Turquia e Europa, principalmente na Inglaterra”, conclui Oka. Ore pela situação da igreja no Congo.

Leia também
Violência islâmica mata muitos cristãos
Aldeias cristãs são atacadas durante festividades


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE