O sofrimento de um servo de Deus

| 19/03/2004 - 00:00


Numa certa cidade do norte da Nigéria, qualquer coisa que esteja relacionada ao Evangelho é considerada tabu. Entretanto, muitos missionários foram designados para aquela área, mas sem conseguir uma única alma para Cristo, porque alguns missionários foram assassinados e outros não conseguiram suportar os maus tratos.

Um dia, o pastor Emmanuel Magaji, 43, que é um obreiro missionário da Fundação Cristã Missionária (FCM), foi designado para essa cidade. Ao chegar, Emmanuel foi recebido de uma forma terrível e bárbara. Os cidadãos locais deram-lhe um ultimato para que deixasse a cidade ou morreria. Emmanuel foi advertido para não tentar conversar com ninguém dessa cidade. Eles recusavam-se até a fazer qualquer negócio com ele. Sendo um homem de Deus, Emmanuel começou a orar e prometeu não sair da cidade porque o Senhor, que o enviara, não o abandonaria.
O assédio não ficou só em palavras, mas foi mais ameaçador e real. A recusa de Emmanuel de se submete às advertências resultou num atentado para matá-lo. A comunidade convidou uma delegação de Imãs das cidades vizinhas para celebrar rituais. O nome de Emmanuel foi proferido noventa e nove vezes, como uma tentativa de lançar um feitiço mortal sobre ele, mas para surpresa deles, o feitiço não teve impacto e nada aconteceu. Então a comunidade tentou amedrontar Emmanuel em várias ocasiões matando animais à sua porta, mas isso também não o amedrontou.

Nas primeiras horas de uma certa manhã, Emmanuel acordou com um barulho estranho. O seu nome fora chamado três vezes. Para sua surpresa, Emannuel viu luzes brilhantes, semelhantes a faróis de um carro, aproximando-se de sua casa, quando ele deu uma olhada pela janela. Quando as luzes estavam quase chegando em seu quarto, subitamente apareceu algo do nada e destruiu as luzes. Emmanuel recorda que somente ouviu passos de criaturas invisíveis correndo e gritando.
No dia seguinte um dos chefes perseguidores, o Imã Abdul*, entrou em contato com Emmanuel e marcou um encontro com ele. Na reunião deles, Abdul confessou que estava entre aquelas luzes que tinham aparecido na noite anterior.
No começo Emmanuel foi muito cauteloso, mas Abdul* continuava perguntando: Que tipo de proteção você tem que toda tentativa que fizemos para matá-lo, falhou? Por favor, você não pode me ajudar com a mesma proteção ou remédio?
Emmanuel riu, e respondeu que não usava remédio algum para proteção: Eu creio apenas no sangue de Jesus Cristo (Nabi Isa).

O Imã ficou confuso, mas disposto a admitir que quando eles foram com a intenção de causar mal a Emmanuel, viram um luz brilhante do céu cercando a casa do missionário.

Deus não somente protegeu Emmanuel, como também proveu uma porta aberta para alcançar a alma perdida com o Evangelho. O Imã Abdul* tornou-se o primeiro morador local a aceitar secretamente Cristo como seu Senhor e Salvador pessoal. Daquele momento em diante, o novo convertido começou a negligenciar suas responsabilidades como Imã. Sua frouxidão chamou a atenção e o clero, certo dia, astutamente o convidou para a mesquita, atraindo-o com uma chamada discussão especial. Ao chegar, o Imã Abdul* foi indagado sobre sua negligência. Sem hesitar, Abdul* confessou corajosamente que havia aceitado Cristo como Senhor e Salvador. Não é preciso dizer que o clero tentou convencê-lo a voltar para o islamismo. Abdul recusou-se.

Sua recusa provocou uma agressão impiedosa, deixando-o inconsciente. Convencidos de que o Imã sucumbiria à advertência do clero, eles o levaram ao hospital.

Os moradores locais ficaram furiosos, porque perceberam que o pastor Emmanuel tivera influência na conversão de Abdul*. A comunidade fez um apelo ao Chefe Distrital que, por sua vez, recomendou a detenção de Emmanuel. O pastor ficou detido durante três dias até ser solto com uma notificação de liberdade.
No mesmo dia em que Emmanuel recebeu a notificação, um amigo de confiança foi manipulado para oferecer comida envenenada ao missionário. Emmanuel contou a um colaborador de Portas Abertas que o amigo levou um pouco de comida aparentemente preparado especialmente para ele. Sem querer ofender seu amigo de confiança, Emmanuel deu uma mordida. Emmanuel falou também que ficou surpreso com o comportamento do amigo que disse que tinha de devolver o alimento para sua casa, pegou o alimento e saiu imediatamente depois que Emmanuel deu a primeira mordida.

Logo depois que o amigo saiu, o estômago de Emmanuel reagiu ao veneno. Ele caiu no chão, dominado pelo sofrimento. Sua esposa o viu caído ao chão e correu até ele. Ela o encontrou com espuma ao redor da boca e gritando por socorro, mas ela teve de tomar providências sozinha. De alguma forma ela conseguiu levar Emmanuel para dentro da casa, onde ela fez a única coisa que poderia salvá-lo. Ela orou.

O servo de Deus foi curado, mas ficou advertido a nunca mais comer nada oferecido por qualquer pessoa.

O pastor se recusa a deixar a cidade, apesar de atualmente estar impedido de sair de casa, devido aos jovens hostis que receberam ordens para matá-lo sempre que o virem com um morador local. O Imã ainda está se recuperando de seus ferimentos internos, mas ele promete não deixar Cristo.

Pontos de oração:

- Ore por favor pela situação desta cidade em particular do norte da Nigéria. Peça a Deus que abençoe o pastor Emmanuel e sua família, pela disposição deles em perseverar nestas circunstâncias hostis.

- Ore também pelo nosso novo irmão Abdul*. Louve o Senhor pela disposição de Abdul de permanecer firme na fé apesar da Verdade ainda ser muito nova para ele.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE