Abençoe a família do pastor Rongliang

O pastor Zhang, da igreja China para Christ, foi detido sem acusações em dezembro de 2004, na província de Henan.

Ele já foi detido cinco vezes antes, e já passou um total de 12 anos de prisão. Na primeira vez, em 1974, ele passou sete anos no campo de trabalho de Xi Hua, depois de ser sentenciado por “contra-revolução sob fachada religiosa”.
 
Zhang foi sentenciado a sete anos e meio de prisão em junho de 2006 por "obter passaporte através de fraude" e de "travessia ilegal de fronteira".

Atualmente, Chen Hongxian, sua esposa, pode visitá-lo uma vez por mês. Ela precisa viajar por três horas até chegar lá. Hongxian é a única visitante que tem permissão oficial para ver Rongliang em quatro anos.

As autoridades também estão pressionando os dois filhos do casal (36 e 28 anos), que também são ministros: um é pastor ordenado e o outro é líder de sua igreja. No entanto, desde a prisão do pai, ambos têm sido seguidos pela polícia e foram obrigados a se esconder.

Em seus quatro anos e meio na prisão, o pastor Rongliang tem testemunhado de Cristo a muitos prisioneiros, conta sua esposa.

“Há ex-oficiais do alto escalão do governo que estão presos comigo. Nunca imaginei que iria poder conversar com pessoas assim durante horas – dias até – sobre o evangelho e o movimento de igrejas não-registradas. O coração delas era muito duro a princípio, mas foi se dobrando. Agora, elas querem aceitar Jesus como seu salvador pessoal. Essa é a razão pela qual estou aqui!”, disse Rongliang.

Depois que os colegas de cela do pastor Zhang Rongliang foram libertados, eles entraram em contato com Hongxian para expressar sua gratidão pela nova vida em Cristo.

Ela diz: “O coração do meu marido continua no ministério da igreja. Ele me falou: ‘Você pode fazer qualquer coisa para me tirar daqui, mas sob uma condição: que eu jamais deixe a China. Meu chamado está aqui’”.

“Não me sinto viúva”

Hongxian também está sob vigilância. Antes e depois das visitas ao marido, a polícia a interroga, perguntando porque ela não pede para que seus filhos retornem. Ela precisa ter cuidado quando entra em contato com os filhos.

Chen Hongxian está morando sozinha porque as autoridades monitoram sua vida pessoal. Ela costumava ter sua “família” cristã vivendo perto dela, mas desde o ano passado, com o aumento da segurança para os Jogos Olímpicos, seus amigos foram interrogados e investigados pela polícia. Para a segurança deles, Chen se mudou para evitar o problema constante.

“Quando meu marido foi preso pela primeira vez, eu não era convertida. Fiquei tocada com o cuidado dos irmãos da igreja. Eles me trouxeram comida e me visitaram durante o Ano Novo Chinês. Por causa do testemunho deles, me converti. Considero esse período de prisão do meu marido como uma parte normal da vida cristã. É o carregar a cruz. Esse é o preço a pagar por ser cristão. Não me senti mau porque meu marido está preso, ou porque meus filhos não podem ficar em casa por estarem fugindo faz autoridades. Não me sinto como uma viúva”, compartilhou Hongxian.

*CAMPANHA DE CARTAS ENCERRADA !!!"