“Insulto” ao budismo é considerado crime em Mianmar

| 22/06/2015 - 00:00


22_Mianmar_0050100028.jpg

O governo de Mianmar está pedindo um retorno da população a respeito de um projeto de lei controverso, o qual muitos ativistas condenaram como restritivo e antidemocrático. Quase 1,3 milhão de cidadãos já assinou uma petição em favor da lei sobre proteção da raça e da religião. A lei é patrocinada por grupos extremistas budistas.

Este é um exemplo da principal fonte de perseguição em Mianmar: a militância religiosa, tendo como um de seus agentes monges budistas extremistas. A lei se destina a proteger o budismo, apesar de que, em teoria, todas as religiões poderiam usufruir da mesma.

Em primeiro lugar, a lei irá restringir ou mesmo proibir as conversões, já que isso requer permissão das autoridades. O mesmo pode acontecer em relação ao casamento livre entre pessoas de diferentes religiões. Um dos aspectos mais preocupantes da lei é o fato de que ""um insulto"" a religião de outra pessoa pode ter como punição até dois anos de prisão. A lei não é clara quanto ao que ""insulto"" realmente significa. Outros países asiáticos e do Oriente Médio já vivem com essas regulamentações e, na prática, elas representam uma maneira fácil de perseguir e punir minorias religiosas.

Muitas ONGs e líderes cristãos se manifestaram contra esta lei. Entretanto, foram severamente repreendidos por monges budistas extremistas, que os acusaram de dividir a nação e de não ser cidadãos do país. Mianmar ocupa a 25ª colocação na Classificação da Perseguição Religiosa 2015 e é um dos países mais violentos do mundo para os cristãos.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

Home
Lista mundial
Doe
Fale conosco