Nigéria comemora independência, mas é refém do extremismo islâmico

Vítimas de ataques extremistas, cristãos na Nigéria recebem ajuda humanitária da Portas Abertas

Desde 1960, no dia de hoje é comemorada a Independência da Nigéria, quando o país deixou de ser um protetorado britânico. Até hoje, a nação tenta se desenvolver, apesar das tensões étnicas, políticas e sociais. Um dos maiores inimigos da paz no país são os grupos extremistas que matam e destroem vilas inteiras negligenciados pelo governo. A cidade agrícola de Naka, que fica no estado de Banue, foi um dos locais atacados. O resultado da violência foram muitas mortes, destruição de casas e 12.500 pessoas desabrigadas. “Perdemos casas, entes queridos, nosso sustento e comunidade. Foi um momento difícil para a maioria dos membros da minha igreja”, explica o pastor Sule Sunday.

Diante de tantas necessidades, a Portas Abertas visitou a região para entender como poderia assistir melhor os irmãos e irmãs traumatizados pelos jihadistas. Mas o que mais chamou atenção da equipe de colaboradores foi a situação das crianças: “Em vez de brincar, as crianças ficavam apáticas, deitadas à sombra das árvores, esperando as mães chamá-las para o jantar. Medo e incerteza brilharam em seus olhos quando eu, um estranho para elas, me aproximei”, relata um parceiro local.

Segundo o pastor Sunday, o sentimento de frustração era muito comum nas pessoas, já que nada poderiam fazer para mudar o futuro delas. “Alguns começaram a duvidar que Deus ouve e cuida de nós. Havia muita fome e dificuldades. Recebemos comida, mas foi tão pouco que apenas algumas famílias puderam [ser ajudadas], e o que receberam acabou em uma semana”, testemunha. Mas pela graça de Deus e contribuição de cristãos ao redor do mundo, a Portas Abertas retornou à cidade com ajuda humanitária para 1.500 famílias. Além disso, os pastores receberam literatura cristã e Bíblias para continuarem os ministérios locais.

Após serem assistidos, os líderes e cristãos ficaram cheios de gratidão. “Deus abençoe vocês e obrigado a todos que contribuíram para trazer esperança de volta aos nossos corações”, afirma o pastor Sunday. Outra cristã que agradeceu foi Verônica: “Obrigada por trazer comida ao povo de Naka. Nunca recebemos nada assim antes. Deus irá abençoá-los e suprir todas as necessidades de vocês”.

Pedidos de oração