Dificuldades da vida cotidiana desesperam iraquianos

| 17/01/2005 - 00:00


O aumento de preços faz da cebola uma excentricidade. Quase não há energia elétrica, e o serviço telefônico iraquiano é tão ruim que um programa de rádio com o primeiro-ministro, com a participação de ouvintes, teve de ser cancelado.

Lá estávamos nós, felizes de ter Ilyad Allawi no ar depois de meses tentando uma entrevista, disse o chefe-executivo da rádio Dijla, Ahmad al-Rikaby. Cancelamos porque tanto as linhas de telefone fixos como celulares simplesmente não funcionavam.

Os iraquianos estão cercados por uma aura de resignação com a deterioração cada vez maior dos serviços públicos, apesar das promessas de melhoria. Nem mesmo o governo interino tem expectativas positivas.

Não há mais esperança de que o sistema de telefonia móvel da Iraqna, uma subsidiária da egípcia Orascom, responsável pela rede de celulares em Bagdá e no Iraque central, compense a falta de telefonia fixa, arrasada pelos bombardeios de 2003.

O desencanto transformou-se em hostilidade. Todo dia recebemos reclamações e ouvimos histórias tristes de médicos, doentes ou feridos que não conseguiram se comunicar em emergências e que compraram telefones que não funcionam, disse um editorial no respeitado jornal Al Mada.

Funcionários da Iraqna não quiseram fazer comentários. Autoridades de telecomunicações do país dizem que a empresa tem dificuldade em manter a rede de celulares funcionando no ambiente hostil do país.

Diante da violência constante e dos problemas do dia-a-dia, muitos iraquianos que têm dinheiro estão saindo do Iraque, indo para países como a Jordânia e o Líbano. Quem tem menos dinheiro foge para a Síria, que é mais permissiva em relação à situação econômica dos iraquianos que chegam.

As residências nos bairros ricos de Mansour e Arasat estão vazias, as janelas cerradas, os jardins, antes bem-cuidados, cheios de mato.

Os que ficam têm de conviver com a falta de combustível e de eletricidade e com o aumento dos preços, que tira grande parte dos produtos do alcance das pessoas comuns.

Os preços aumentaram por causa da crise de energia e pela interferência dos rebeldes nas redes de transporte, principalmente em torno de Bagdá. Ataques de sabotagem danificaram refinarias e o fluxo de combustível importado.

Problemas administrativos também influenciam na crise. Os jornais trazem reportagens sobre forças de segurança responsáveis por proteger carros-tanque e postos de gasolina, que estariam ganhando dinheiro no mercado negro.

Nossa crise de combustível não é tão grande quanto a crise de honestidade, disse o ministro do Petróleo Thamir al-Ghadhban.

O litro da gasolina custa 50 centavos de dólar. O preço subsidiado nos postos estatais de petróleo é de menos de 1 centavo.

Um bujão de gás aumentou nos últimos três meses em até 400 por cento. Custa entre 5.000 e 10.000 dinares (3,50 a 7 dólares). Na época de Saddam, custava 500.

O preço do tomate também chegou a quadruplicar, e o da cebola triplicou. Há escassez de arroz e açúcar.

Simplesmente paramos de comprar comida além das rações. Nossas casas estão geladas porque o querosene é caro e muitas vezes não se acha, disse Raqia, uma dona de casa. Antes xingávamos Saddam Hussein quando ficávamos sem luz por algumas horas por dia. Hoje temos sorte se conseguimos isso.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE