Perseguição religiosa continua

| 28/03/2005 - 00:00


Estima-se que seja três vezes maior o número de chineses cristãos que prefere freqüentar as chamadas igrejas residenciais ou familiares, em detrimento às igrejas oficiais. No entanto, a ilegalidade que permeia tais congregações, que não são monitoradas pelo governo nem tem seus fiéis registrados, faz com que a perseguição por parte do Estado ainda seja uma realidade na China, apesar de a própria Constituição do país, em seu 36º artigo, determinar que os corpos religiosos e os assuntos religiosos não devem ser submetidos a qualquer interferência ou dominação externa.

- Nosso padre foi preso em 2003 e fomos proibidos de freqüentar a igreja porque havia detenções - comenta a funcionária pública Luo Yang.

David Aikman, autor do livro Jesus in Beijing, comenta que vários dos líderes religiosos que entrevistou foram presos depois da publicação do material.

- A pressão para acabar com as congregações que não são registradas e com os treinamentos de líderes se intensificou ultimamente na China. Também ficou mais difícil a vida de cristãos proeminentes. Mas acredito que seja algo temporário.

Leia mais no JB online


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE