Bispo Luterano tem visto cancelado

| 03/05/2005 - 00:00


O bispo Siegfried Springer, que lidera a Igreja Evangélica Luterana na Rússia, disse que não tem idéia do porque que as autoridades russas cancelaram seu visto de múltiplas entradas e o deportaram do país em 11 de abril. "Eu quero retornar para a Rússia para nosso sínodo geral para apresentar meu trabalho pastoral o mais breve possível," disse ele ao Fórum 18 da cidade alemã de Bad Sooden-Allendorf em 18 de abril. "Isto não é por mim, isto é pela nossa Igreja. "Ele disse que não sabe porque os guardas da fronteira anularam seu visto ou o que está por trás disso.

Perguntado se ele está otimista que um novo visto lhe será concedido ele respondeu: "Eu me baseio nos fatos."

O bispo Springer, cidadão alemão, voou de Berlim para o aeroporto Domodedovo de Moscou em 10 de abril, mas na chegada um guarda de fronteira cancelou seu visto sem explicações, carimbou o visto quatro vezes com a palavra "anulado". O visto de um ano com múltiplas entradas não expiraria antes de agosto. Ele ficou detido no centro de detenção do aeroporto durante toda a noite e descreveu como "desagradável", antes de ser deportado para a Alemanha no dia seguinte.

O bispo reforçou ao Fórum 18 que ele nunca criticou o governo russo. "Eu sempre considerei a política russa como boa e reconheci as melhoras desde que Vladimir Putin se tornou presidente. Como um bom luterano, eu não critico o governo de onde eu vivo."

O bispo disse que os Ministérios do Interior e Exterior russos estão envolvidos em resolver o caso, juntamente com o Ministério do Exterior da Alemanha e a embaixada da Alemanha em Moscou.

Em 18 de abril o líder da administração da Igreja Evangélica Luterana na Rússia, Aleksandr Tserr, também ficou perplexo com a anulação do visto do bispo. Ele se negou a comentar o caso com o Fórum 18, mas explicou que a Igreja estava tentando esclarecer o incidente com o Ministério do Exterior da Rússia.

Enquanto direcionavam o Fórum 18 um para outro para informações em 18 de abril, o Centro de Imprensa do Ministério do Exterior da Rússia e o Departamento para Informação e Imprensa não foram capazes de comentar o incidente. O porta-voz do Setor de Informações Operacionais do último órgão disse ao Fórum 18 no mesmo dia que ele não tinha detalhes nem um comentário sobre o incidente.

Um porta-voz do Departamento de Relações Públicas e Imprensa na embaixada da Alemanha disse ao Fóruom 18, em 18 de abril, que diplomatas alemães estavam tentando esclarecer o incidente da deportação com as autoridades russas e que ele não tinha mais detalhes.

O bispo Springer é designado em Moscou como o líder da Igreja Evangélica Luterana na Rússia, membro da Igreja Evangélica Luterana na Rússia, Ucrânia, Cazaquistão e Ásia Central, o maior grupo luterano da antiga União Soviética. Ele foi recentemente eleito em 2002 e confirmado no cargo em fevereiro de 2005. A Igreja que ele lidera tem 170 congregações. Apenas dez pastores são cidadãos alemães.

Tserr confirmou que em fevereiro de 2005, uma revalidação da eleição de setembro de 2002 para a liderança da igreja aconteceu por pedido do Serviço de Registro Federal da Rússia, devido a uma alegada falha no procedimento de formação do quorum. (Um relatório de março na página da Igreja Evangélica Luterana na Rússia, Ucrânia, Cazaquistão e Ásia Central ressaltou que apesar desta requisição ser "questionável do ponto de vista da lei da igreja", o bispo Springer e seu assistente foram confirmados novamente em seus cargos.) De acordo com Tserr, as autoridades russas foram satisfeitas e nenhuma violação das regras da igreja aconteceu durante a repetição da eleição. O longo intervalo entre a primeira eleição e sua repetição ocorreu porque a requisição do Serviço de Registro da Rússia só foi emitida neste ano, ele acrescentou.

O bispo Springer disse que ao longo destes 13 anos como bispo, as autoridades sempre foram amigáveis e que sua igreja não passou por problemas. "Nós tivemos dificuldades com ladrões e coisas deste tipo, mas nada com o Estado," disse ele ao Fórum 18. "Ao contrário - nós tivemos apoio do governo, em Moscou as autoridades da cidade deram milhões de rublos para nos ajudar a reconstruir nossa catedral."

O bispo de 75 anos nasceu em uma família russa/alemã em Mineralniye Vody no norte do cáucaso russo, mas foram para a Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial. Ele voltou a viver na Rússia no início dos anos 90 depois da queda da União Soviética. Desde a sua volta para a Rússia ele não pediu cidadania russa.

Em 1999, o pastor luterano Eberhard Behrens, também cidadão alemão, foi forçado a deixar a região russa de Volgograd três meses antes de seu visto expirar. Enquanto o pastor Behrens tinha um convite emitido pelo bispo Springer, autoridades locais insistiam que ele pedisse também um convite da sua paróquia na cidade de Kamyshin, que não tinha naquele tempo feito o novo registro de acordo com a lei russa de religião de 1997.

Cinco clérigos católicos estrangeiros - incluindo um bispo - tiveram sua entrada na Rússia negada em 2002 depois que a Igreja Católica na Rússia elevou suas administrações apostólicas para dioceses. Enquanto nenhum destes padres foi habilitado a voltar, clérigos católicos estrangeiros na região sul, nos Urais e na região leste da Rússia disseram ao Fórum 18 que a situação de seus vistos melhorou nos últimos meses.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE