O registro acabará com a perturbação das comunidades religiosas?

| 16/05/2005 - 00:00


Mais de dez meses depois de seu primeiro pedido de registro público, a Grande Igreja da Graça, na capital Ashgabad, está entre as cinco comunidades religiosas que nunca tiveram a finalização do seu processo de registro, conforme o Forum 18 News Service soube. O pastor da igreja, Vladimir Tolmachev, disse ao Forum 18 no dia 22 de abril que ainda precisa receber do cartório do estado o número de registro e informar o sexto departamento do Ministério Interior (que cuida de assuntos religiosos, terrorismo e crimes de droga) do status oficial de sua igreja, "para, desta forma, eles não poderem se queixar de nós". Então, ele espera, a igreja poderá alugar um salão para realizar cultos pela primeira vez em mais de oito anos.

As comunidades religiosas recém-aprovadas - a Igreja de Cristo, a Igreja Pentecostal do Evangelho Pleno em Ashgabad, a Igreja Pentecostal Luz do Oriente na cidade de Dashoguz e a Nova Igreja Apostólica em Ashgabad - se juntaram a quatro grupos minoritários (Baha"is, Batistas, Hare Krishna e adventistas) registrados ano passado. Isso aconteceu mais de seis meses depois que os batistas conseguiram registro, antes de poderem alugar terrenos para os cultos", o pastor Vladimir disse ao Forum 18. Eu espero que seja mais rápido para nós".

Outra pessoa esperando melhorias para a sua comunidade é o pastor Viktor Makrousov, que lidera a Igreja do Evangelho Pleno. Estamos felizes porque finalmente conseguimos o registro", ele disse ao Forum 18, de Ashgabad, no dia 22 de abril. Nos telefonaram de repente no domingo dia 17 de abril e disseram para comparecer lá urgentemente, já que estávamos em processo de registro, apesar de apenas três dias antes, quando telefonamos para lá, nos terem dito que não havia progresso. Talvez tivessem uma ordem de um superior. Mas continuamos a ter que ir há 20 escritórios para completar o processo.

Viktor disse ter esperança de que logo a igreja poderá alugar um terreno para os cultos, assim que o processo se completar. "Reunirmos em apartamentos particulares é limitado, mas não temos nenhum outro lugar para nos encontrarmos. Também trabalharemos para reconquistar nossa igreja em Ashgabad confiscada em 2001". Ele também espera que a perturbação feita aos membros da igreja - tal como a intimação e a ameaça de diversos pentecostais na cidade portuária caspiana de Turkmenbashi (ex- Krasnovodsk) no começo de abril - chegue ao fim.

A Nova Igreja Apostólica também confirmou ao Forum 18 que seu templo em Ashgabad está recebendo registro. Por causa da insistência dos oficiais de que a atividade religiosa era ilegal, a igreja escolheu obedecer à lei e repensou oficialmente todas as suas atividades religiosas e públicas.

De qualquer forma, a atividade de comunidades religiosas permanece restrita, com oficiais insistindo que nenhuma reunião religiosa pode ser mantida em casas particulares. As congregações registradas também são pressionadas para apoiar o grotesco culto de personalidades que é feito ao presidente do país, Saparmurat Niyazov, que foca particularmente o livro de dois volumes da Ruhnama (Livro da Alma) que ele afirma ter escrito.

Significativamente, todas as cinco comunidades religiosas a receberem registro são igrejas protestantes, juntando isso à crença geral de que a arbitrária concessão de status legal foi o resultado da intensa pressão que a comunidade internacional exerceu. A Igreja Apostólica Armênia  ainda não viu nenhum progresso no registro de uma comunidade ou na reconquista de sua igreja histórica em Turkmenbashi. Nenhuma comunidade judia, luterana, católica, testemunha de Jeová ou yezidi foi registrada. Nenhum progresso parece estar à vista das centenas de comunidades muçulmanas privadas de registro por causa das emendas feitas na lei religiosa em 1996. (No ano passado, algumas mesquitas foram demolidas.

Quando os católicos tentaram apresentar seu pedido de registro ao Ministério Adalat (da Justiça) no meio de abril, os oficiais se recusaram a aceitar os documentos uma vez que o frei Andrzej Madej, o padre polonês que lidera a missão em Ashgabad, foi registrado como o líder. Os oficiais nos disseram que o líder deveria ser um cidadão local", a comunidade católica disse ao Forum 18 no dia 22 de abril. Só podemos ter o frei Andrzej como o líder - essa é a nossa regra. Esperamos que o governo possa aceitar isso".

As testemunhas de Jeová disseram que ainda não pediram registro. Com o contínuo banimento de atividades religiosas não-registradas no Turcomenistão, isso significa que qualquer atividade que eles realizarem será ilegal. "Continuamos a enfrentar problemas menores, mas nada sério ultimamente", uma testemunha de Jeová disse ao Forum 18 no dia 22 de abril.

Ao mesmo tempo, a comunidade Hare Krishna em Ashgabad - que recebeu o registro no verão passado - de acordo com o que foi dito, foi prevenida de se encontrar para cultos. Membros da igreja batista na cidade de Turkmenabad (ex-Charjou) foram multados em maio e duas foram despejadas por seus albergues como punição por se encontrarem para cultos, apesar de fazerem parte de uma igreja registrada.

Todos os quatro conhecidos testemunhas de Jeová prisioneiros - Begench Shakhmuradov, Atamurat Suvkhanov, Mansur Masharipov e Vepa Tuvakov - foram libertos semana passada em seguida ao surpreendente decreto presidencial e agora voltaram a suas casas com suas famílias, testemunhas de Jeová disseram ao Forum 18. Os quatro foram nomeados, no decreto do dia 16 de abril, apesar do decreto significantemente não revelar que todos eles foram sentenciados por rejeitarem o serviço militar obrigatório por causa de consciência religiosa.

Três dos quatro foram sentenciados pela corte de Dashoguz - Mansur no dia 28 de maio de 2004, Vepa no dia 3 de julho de 2004 e Atamurat no dia 17 de dezembro de 2004 - enquanto que Begench foi sentenciado pela corte de Azatlyk em Ashgabad no dia 10 de fevereiro de 2005. Todos foram sentenciados sob o Artigo 219 do Código Criminal, que pune recusas de serviço às forças armadas. Turcomenos oferecem alternativas de não-combate àqueles que não podem servir às forças militares por motivos de consciência.

Sua libertação deixou um prisioneiro religioso conhecido, o ex-chefe mufti de 57 anos, Nasrullah ibn Ibadullah, que foi preso depois de brigar com o presidente Niyazov e está cumprindo agora uma sentença de 22 anos, sob acusações que o governo turcomenos se recusar a tornar públicas Também se acredita que haja diversos imames em exílio internacional.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE