Atentado contra associação israelita permanece sem esclarecimento

| 18/07/2005 - 00:00


Passados onze anos do atentado terrorista contra a Associação Mutual Israelita Argentina (AMIA), ainda se percebe a falta de decisão das autoridades para o esclarecimento do caso, anotou a Igreja Evangélica do Rio da Prata (IERP). O caso, advertiu, pode-se converter em mais um ato de impunidade.

Em carta de adesão ao ato público que lembrará o ataque, agendado para o dia 18 de julho, em Buenos Aires, a IERP afirma que apesar do tempo decorrido, existe falta de clareza e decisão dos poderes públicos para o esclarecimento do atentado.

O ataque terrorista contra a AMIA ocorreu em julho de 1994, no governo do ex-presidente Carlos Menem, deixando um saldo de 85 mortos e centenas de feridos. A justiça argentina não processou nem deteve ninguém relacionado ao caso.

A mensagem solidária que a IERP enviou ao rabino Angel Kreiman-Brill
destaca: Sentimo-nos afundando num pântano profundo, sem ter onde apoiar nossos pés. Com a sensação final de ter chegado ao mais fundo da água, sentimo-nos arrastados pela correnteza. Pela correnteza da impunidade e da falta de justiça.

O documento concorda com a posição dos representantes da comunidade judaica argentina, que qualificaram o crime como um magnicídio que cobriu de luto não só os familiares e amigos das vítimas, mas a sociedade argentina em seu conjunto.

Como parte desta nossa sociedade - agrega a carta assinada pelo presidente da IERP, Federico Schäfer - queremos chegar até vocês com nossa solidária saudação, irmanados no Deus que quer e promove a vida. Uma vida baseada no direito e na justiça como valores que lhe dão sustento e sentido à convivência de todos os seres humanos sem outra condição que sua própria dignidade.

As investigações do atentado contra a AMIA evidenciaram desde o início marchas e contramarchas da justiça argentina, que fez algumas prisões que depois arrefeceram por falta de provas.

O juiz Rodolfo Canicoba Corral é que conduz as investigações. Ele mantém as suspeitas formuladas há uma década, que responsabilizam membros da milícia libanesa e autoridades diplomáticas iranianas pelo crime.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

Home
Lista mundial
Doe
Fale conosco