Suprema Corte aceita apelo no “caso Staines”

| 28/10/2005 - 00:00


O fanático condenado à prisão perpétua pelo homicídio do missionário e seus dois filhos pede agora a redução de sua sentença, enquanto as autoridades exigem a pena de morte.

Os cristãos "acreditam em perdão e não buscam vingança", mas agora eles querem "que a justiça reforce a verdade, o único meio capaz de trazer paz para todos os envolvidos nas atividades missionárias em Orissa". Essa foi a resposta de Dom Thomas Thiruthalil, bispo da diocese de Balasora e presidente da Conferência de Bispos de Orissa, quando o "AsiaNews" perguntou-lhe sobre os dois apelos no "caso Staines", aceitos pela Suprema Corte, (este é o caso do missionário australiano queimado vivo com seus dois filhos).

O primeiro pedido foi feito por Ravinder Pal (Dara) Singh, o hindu fanático culpado de homicídio e condenado à prisão perpétua: ele pede a redução de sua sentença. O outro pedido veio do Bureau de Investigação Central, que denunciou as investigações do caso como "imprecisas" e pediu pela pena de morte, depois da revisão do caso.

Singh foi condenado à morte em 22 de setembro de 2003 pela Corte Provincial de Orissa. Essa sentença o condenou por liderar um ataque no distrito de Keonjhar, em 23 de janeiro de 1999, que levou à morte Graham Staines e seus filhos de sete e nove anos. A corte também prendeu 12 homens tidos como seus cúmplices. A Suprema Corte desse estado mudou a sentença de Singh para prisão perpétua no dia 19 de maio e libertou 11 de seus cúmplices.

O bispo disse ao "AsiaNews": "A instância inferior verificara as provas contra Singh, condenando-o à pena de morte. Isso encorajou os que estavam do lado da justiça. Os cristãos acreditam em perdão. Não estamos implorando por vingança, pelo contrário, desejamos que a verdade seja trazida à luz. Apenas a justiça que fortalece e prova a verdade pode trazer paz àqueles envolvidos nas atividades missionárias em Orissa".

"Dara Singh tem muitos defensores entre os fundamentalistas. Todos o estão ajudando, mas cremos que a sabedoria dos honoráveis juízes de nossa corte, em busca da verdade e da justiça, prevalecerá".

John Dayal, presidente da União Católica Toda a Índia, disse que "o caso Staines foi desviado desde o começo. Lembramo-nos dos comentários de Lal Krishan Advani, o então ministro dos Assuntos Internos - os garotos do Bajrang Dal (a ala jovem do movimento nacionalista hindu) são muito amigos - e dos comentários de seu colega George Fernandez - tudo isso é uma conspiração estrangeira - apesar da evidente prova do envolvimento de Singh no movimento".

John reiterou a denúncia feita pelo bispo: "Durante sua primeira prisão, Singh foi pintado como um herói. Ele deu longas entrevistas na televisão, toda a mídia nacional falava dele como queria, e agora ele é um herói para alguns".

O ativista disse que as verdadeiras motivações por trás da condenação são contraditórias: "A assistência fornecida pela polícia local aos juízes foi tão mínima que a primeira sentença ficou cheia de buracos e foi facilmente rejeitada. A Suprema Corte de Orissa é conhecida pela severidade com que trata os casos contra a atividade missionária. Entretanto, sua decisão neste caso foi incrível: ela reduziu a pena de morte de Singh para a prisão perpétua porque ele não agiu sozinho, mas com um grupo de pessoas. Essas, por sua vez, foram libertadas porque foram forçadas por outros a matar, não agiram por vontade própria!".

"Eu sou contra a pena de morte e reconheço o direito que o homem tem de apelar à Suprema Corte. No entanto, os juízes devem reconhecer esse homicídio como um crime contra a humanidade, perpetrado por uma pessoa que nega aos cristãos a permissão de orar e aos muçulmanos os seus direitos básicos", completou John Dayal.

Texto enviado por Daila Fanny.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE