Culto de batismo é atacado

| 05/11/2005 - 00:00


Nzerekore está localizado na Região Florestal no sudeste de Guiné, onde as fronteiras da Libéria, Costa do Marfim e Guiné se encontram. A região está repleta de ex-soldados, armas e imigrantes ilegais. Toda a região, em especial a vizinha Costa do Marfim, está cozinhando nas tensões étnicas e religiosas. Guiné é 85,4 por cento muçulmano; 9,7 por cento da Religião Tradicional Africana (ATR), e 4,7 por cento cristão.

Depois de décadas de marxismo e de perseguição da igreja, há agora liberdade religiosa em Guiné. A igreja guineense abraçou missões e, na década passada, trabalhadores indígenas começaram a testemunhar para grupos de pessoas ainda não alcançados. A igreja guineense está crescendo. Mas nos últimos anos, a minoria cristã em Guiné tem encontrado cada vez mais resistência dos muçulmanos radicais.

Em 19 de outubro, uma cerimônia de batismo em Nzerekore foi atacada por muçulmanos, reclamando que a música do culto atrapalhava suas orações em uma mesquita próxima. As pessoas foram feridas, duas delas em estado grave, e diversas casas foram saqueadas. Os muçulmanos se amotinaram de novo na noite de sexta-feira e demoliram uma loja de vídeo local. Soldados de elite tiveram que ser recrutados para restabelecer a calma. Várias armas foram confiscadas e foi imposto toque de recolher. Durante a semana, cerca de 100 pessoas foram presas, das quais 56 continuam detidas.

Os cristãos pertencem ao grupo étnico guerze, que tem uma longa história na Região Florestal no sudeste da Guiné. A maioria dos guerzes pratica o cristianismo ou a ATR. Os muçulmanos são koniankes, um subgrupo do povo mandingo (ou malinki), fortemente muçulmano. Os koniankes migraram para o sul, saindo do norte de Guiné durante o século dezenove, quando Guiné estava sob o domínio francês. Tem havido conflitos étnicos desde então, já que as tribos competem por terra e por recursos.

A tensão religiosa, uma expansão do conflito étnico, aumentou ainda mais depois da radicalização de alguns grupos muçulmanos. O choque étnico-religioso atingiu níveis críticos desde que a Guerra Civil da Libéria chegou ao fim em agosto de 2003. Nesse ano, milhares de rebeldes koniankes liberianos fugiram para o sudeste de Guiné, e foram misturados com os refugiados liberianos e protegidos por seus companheiros koniankes.

Texto enviado por Daila Fanny.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE