Mulheres indonésias têm apelo negado

| 01/12/2005 - 00:00


O International Christian Concern (ICC) relatou que o apelo feito para reverter a condenação das três cristãs indonésias foi rejeitado recentemente.

Dra. Rebekka Zakaria, Ratna Bangun e Eti Pangesti - líderes de uma igreja cristã no distrito de Indramayu, Java Oeste - estão presas desde 1º de setembro, depois de serem condenadas por "forçar crianças a mudar sua religião", sob o Ato indonésio de Proteção à Criança.

Por causa do apelo rejeitado, as três cristãs foram maltratadas na prisão de Indramayu, segundo uma reportagem publicada pela Fundação Barnabé.

O diretor do Fundação Barnabé da Nova Zelândia, Julian Dobbs, voltou para seu país depois de visitar as três condenadas. Ao descrever a situação delas, ele disse: As mulheres dormem em plataformas de madeira sem cobertor ou lençóis. Há mais 12 mulheres com elas na prisão, e oito delas dividem uma cela de cinco metros quadrados, onde devem pagar aos guardas para fornecer a água de seus banheiros".

Elas também foram visitadas pelo presidente da Christian Freedom International (CFI - Liberdade Cristã Internacional) Jim Jacobson em setembro. As cristãs e todas as outras presidiárias recebem uma porção de arroz do tamanho de um ovo e uma mistura de soja coberta com formigas três vezes por dia.

Apesar de viver sob essas condições, o trabalho delas não foi interrompido. Rebekka Zakaria tem permissão para realizar um culto aos domingos em uma pequena área da prisão, conforme a CFI. Cerca de 35 pessoas de sua igreja vão à prisão a cada domingo para participar.

"Essa é a Escola da Confiança na Bíblia, não uma cadeia", disse Rebekka a CFI. Deus me conforta a cada dia com alegria e paz. Eu oro pelas outras prisioneiras e pelos guardas. Uma prisioneira se converteu e se tornou cristã. Compartilhamos nossa fé com os outros".

Segundo a reportagem da CFI, a organização tem pressionado o governo da Indonésia para libertar as três mulheres. Além disso, eles têm apelado ao governo dos EUA para fazer toda a pressão possível sobre a Indonésia para a libertação imediata das mulheres.

Julian, da Fundação Barnabé da Nova Zelândia, disse: "O sofrimento de milhares de cristãos convertidos segue sem ser visto e noticiado pelos governos ocidentais e pelo público".

Ele acrescenta que "o politicamente correto evita que a informação sobre os cristãos perseguidos seja divulgada. Muitos governos e líderes das nações desenvolvidas ficam atemorizados pelos elementos mais radicais do islamismo".

Texto enviado por Daila Fanny.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE