Pastor é morto em atropelamento

| 06/12/2005 - 00:00


Ameaçado pela polícia egípcia por realizar reuniões em sua igreja doméstica, um pastor evangélico foi atropelado por um táxi no Cairo e morto em decorrência de hemorragia interna e fratura craniana.
 
Ezzat Habib, seu filho Ibram Habib e um amigo estavam atravessando a rua no bairro de Materya na noite do dia 23 de outubro, quando um táxi, que estava parado, saiu em direção aos três, atingindo-os por trás.
 
O pastor, de 58 anos, foi imediatamente levado ao hospital local sendo submetido à cirurgia na manhã seguinte, vindo a falecer naquele mesmo dia. O amigo, que pediu para não ser identificado, sofreu fratura na perna, e Ibram Habib recebeu vários ferimentos na perna também. Ele continua sentindo dores nas costas

A equipe do hospital preparou um relatório sobre o incidente que Ibram Habib teve de assinar logo depois de levar seu pai até o hospital.
 
"Eu assinei o papel sem estar plenamente consciente", disse a Compass o filho, que está envolvido em tempo integral no ministério. "Quando eu li a ocorrência depois, estava completamente diferente do que realmente tinha acontecido. O taxista pagou uma grande quantia de dinheiro para que fosse liberado".

Nenhum acidente

Ibram Habib e seus irmãos, George e Amir, têm certeza de que a morte de seu pai não foi acidental.
 
Cristãos egípcios sujeitos a interrogatórios policiais são freqüentemente ameaçados de que serão mortos ou agredidos por atropelamento caso não cooperem com as exigências policiais.

A família do pastor tem passado por ameaças constantes e perseguições físicas de vizinhos e da Investigação de Segurança do Estado (SSI), a polícia de segurança nacional do país, nos últimos dois anos por seu papel sediar a Beit-El (Casa de Deus), em Giza, subúrbio do Cairo.

Depois de tentar entender a morte de seu filho mais velho, Hany, o pastor Habib, que ganhava a vida como alfaiate, fundou uma igreja em sua casa em 1997. Por seis anos, membros da Beit-El atuavam com relativa liberdade como única igreja em El-Harem, vizinhança de maioria muçulmana em Giza.
 
Em junho de 2003, depois de receber reclamações dos vizinhos da igreja, dois soldados passaram a investigar a congregação. Durante a segunda investigação, no dia 1º de julho, a polícia de Boulak el-Kakrour chegou com dois carros, um microônibus, e um veículo cheio de soldados.
 
Eles entraram com uma queixa contra a congregação por perturbar a vizinhança e o pastor Habib foi preso.
 
Ele foi mantido na delegacia Boulak el-Dakrour, numa cela subterrânea tão pequena que não havia nem condições de ele ficar sentado. Durante um período de seis dias, a polícia abusou dele física e sexualmente, disseram seus filhos a Compass.

No quinto dia, o oficial Hussein Gohar da SSI interrogou o pastor, que estava com os olhos vendados e as mãos acorrentadas, enquanto um policial de cada lado do interrogado ficava incumbido de agredi-lo fisicamente e insultar sua esposa. Gohar, conhecido por torturar cristãos egípcios, alertou o pastor Habib que parasse com as reuniões em sua casa e que proibisse estrangeiros e muçulmanos de comparecerem.

"Está bem, vou parar com as reuniões", disse finalmente Habib aos seus algozes. No dia seguinte ele foi levado até o promotor estadual, que no Egito usufrui de um amplo poder que inclui a prisão suspeitos. Lá, o pastor foi informado de sua soltura. Mas ao sair da promotoria, a polícia não o libertaria até que ele pagasse os policiais.
 
Apesar do pastor estar preso, a congregação Beit-El continuou com suas reuniões à noite. Nas semanas que passaram, a polícia fez outras três batidas prendendo nove pessoas. Nas três ocasiões, nenhuma acusação formal foi feita, e o promotor estadual ordenou a soltura dos cristãos, mas a polícia se recusava libertá-los até que fosse pago algum dinheiro a eles.
 
Após a última batida policial, no dia 30 de julho de 2003, em que um padre ortodoxo de 72 anos, uma freira de 73 anos e Amir Habib e seus dois primos foram presos, a congregação decidiu suspender todas as suas atividades.
 
Um ano depois, em julho de 2004, após tentativas de registrar a igreja terem sido rejeitadas pelas autoridades locais, a congregação Beit-El retomou suas reuniões.
 
Dias depois, o pastor Habib recebeu um telefonema do tenente da SSI Medhat Allem. "Qual o motivo de as reuniões terem sido retomadas?", perguntou Allem, enfurecido. "Você vai ver o que vai lhe acontecer."
 
Naquele mesmo mês, duas árvores em frente ao apartamento de Habib foram cortadas, caindo em direção à sua casa, quebrando as janelas. O pastor tentou entrar em contato com a polícia quando viu um homem em frente ao seu quintal cortando a árvore com um machado, mas as linhas telefônicas tinham sido cortadas e a porta da frente fechada por fora.
 
De acordo com um vizinho muçulmano que se aproximou do homem que cortava a árvore, o intruso alegava ter permissão da SSI para cortar as árvores.
 
"Eu não falei para você parar de realizar as reuniões?", disse Allem ao pastor Habib, quando este, finalmente, foi até o oficial da SSI. "Veja o que está acontecendo com você."

Igreja apedrejada
 
Membros da congregação, que agora são apenas 15, continuaram a enfrentar perseguição na medida em que persistiam em se reunir no ano seguinte. Jovens mulheres à caminho das reuniões eram insultadas verbalmente por vizinhos que lhes atiravam baldes da água. O cômodo da congregação foi apedrejado.

No dia 19 de setembro, somente um mês antes da morte do pastor Habib, Amir e George, seus filhos, acompanhavam a noiva de George e outra jovem até em casa depois da reunião da noite, quando um adolescente, Ahmed Kahlif Ali Mustafa, começou a insultá-las. Quando Amir Habib gritou de volta, o jovem fingiu não estar falando com eles.

Mais tarde, quando os irmãos Habib retornavam para casa, Mustafa os abordou com uma faca e esfaqueou Amir Habib por três vezes antes de fugir. Depois de dar queixa na polícia, o cristão foi para um hospital local, onde recebeu pontos em seu ombro e na parte de cima do braço e passou por cirurgia no pulso.

Apesar da morte de seu pai e da perseguição contínua da polícia e de seus vizinhos, os irmãos Habib permaneceram resolutos em continuar com a reunião doméstica.
 
"Depois da morte do meu irmão, meu pai começou a perguntar para Deus qual o propósito de tudo isso", disse Amir a Compass. "Ele começou Beit-El pois acreditava que era da vontade de Deus. E além do mais, naquela vizinhança não há outra igreja de qualquer denominação. Por causa disso, vamos continuar com as nossas atividades".

Mas continuar com a igreja doméstica Beit-El naquele local não será fácil.
 
Tentativas de mudar o local das reuniões em Giza no verão passado foram sufocadas por oficiais da cidade que se recusaram a fornecer água e eletricidade, e depois lacrando o apartamento que a família Habib comprara numa rua próxima.
 
Licenciar o apartamento como uma organização não-governamental também resultou em fracasso, pois nenhum advogado mostrou boa vontade para ajudar a família.

"O que escutamos do advogado foi: Se a SSI está no caso, então, não existe nada que eu possa fazer.", contou Amir.
 
Os irmãos também estavam preocupados com a saúde da mãe, que, segundo eles, já estava em situação crítica devido ao estresse mesmo antes da morte do pai.

Temendo muito pela perseguição das autoridades, os três irmãos e sua mãe foram forçados a se separar, ficando em casas de diferentes amigos, somente retornando à velha casa para as reuniões da igreja.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE