Cristãos adotarão medidas de segurança durante evento hindu

| 02/02/2006 - 00:00


Alguns líderes cristãos sugeriram evacuar toda a população cristã tribal de Dangs, no Estado de Gujarat, antes do "Shabri Kumbh", um festival hindu de "reavivamento", programado para os dias 11 a 13 de fevereiro.
 
Outras pessoas desprezaram o plano, dizendo que uma evacuação deixaria casas e animais domésticos abandonados.
 
Grupos de direitos temem que o "kumbh", um encontro religioso organizado por grupos extremistas hindus, possa desencadear uma onda de violência contra cristãos tribais, como aconteceu em dezembro de 1998. Na ocasião, extremistas hindus queimaram 36 igrejas, atacando cristãos em Gujarat e em muitos outros lugares.
 
Os organizadores do evento - que incluem o extremista Rashtriya Swayamsevak Sangh (RSS) e o Vishwa Hindu Parishad (VHP ou Conselho Hindu Mundial) - prevêem cerca de 500 mil hindus comparecendo em um ou mais dias do festival.
 
Em contraste, a população tribal total de Dangs é de apenas 187 mil, com o número de cristãos chegando a oito mil - embora alguns digam que essa quantidade é um pouco maior.
 
Samson Christian, um membro executivo do Conselho Cristão Toda a Índia (AICC - sigla em inglês), defende um deslocamento temporário para os cristãos tribais durante o evento.
 
"Apesar de todas as promessas feitas pelo ministro Narendra Modi, temos de tomar medidas sérias e drásticas para proteger os cristãos tribais", ele explicou. "Conseqüentemente, planejamos retirá-los de lá a partir de 1º de fevereiro. Todo mundo teme que a violência descontrolada de 1998 volte."
 
Os cristãos reconhecem que seria necessária uma coordenação maior entre organizações não-governamentais e igrejas cristãs para arranjar o transporte e a acomodação temporária para os aldeãos.
 
Quanto a deixar as casas desprotegidas, Samson disse: "A primeira questão é a sobrevivência dessas pessoas. Se a vida deles está em perigo, qual é a utilidade de suas tendas e posses?"
 
Samson disse que milhares de casas da vila já exibem brilhantes bandeiras amarelas - um sinal da aliança hindu. As casas cristãs estão perceptivelmente sem bandeiras, o que as deixa desprotegidas para um possível ataque.
 
John Dayal, presidente da União Católica Toda a Índia e secretário geral da AICC, quer que o governo do Estado intervenha. Ele emitiu uma declaração no começo dessa semana, reprovando o êxodo em massa de Dangs.
 
"Isso é um teste para o governo do Estado. Esperamos ações efetivas para nossa segurança nos próximos dias."
 
John disse que líderes cristãos estarão presentes no evento como observadores. Ele também falou que essa ameaça uniu os cristãos de todo o país em oração e apoio aos moradores de Dangs.
 
Uma história de violência

O padre jesuíta Tony Mailadi trabalha no subdistrito de Subir, onde o festival será sediado. Ele descreveu como os fundamentalistas hindus atacaram um internato jesuíta no local, em dezembro de 1998.
 
"A escola Navjot foi incendiada pelos fundamentalistas hindus", ele contou. "Toda a mobília de madeira foi destruída, e eu fui espancado e apedrejado. O lado direito do meu corpo ficou paralisado por mais de três meses depois do ataque".
 
Tony afirmou que o festival de fevereiro não tem caráter religioso, mas político. "O extremismo desses grupos hindus, com a ajuda do Estado, assegurará o sucesso do kumbh. O único compromisso deles é eliminar o cristianismo de Dangs."
 
Tony não tem certeza sobre o plano de evacuar os cristãos. "Não podemos fechar nosso internato, que cuida exclusivamente das crianças tribais. Mas com umas 500 mil pessoas vindo para Subir, temo uma fuga. Também tenho medo de que nossas crianças sejam seqüestradas."
 
Tony vai continuar lá, apesar desses temores. "Fui comissionado para cá pelos meus superiores e vou continuar aqui. Fui apedrejado em 1998, minha fé aumentou e minha vida foi poupada. Talvez eu possa salvar mais vidas em 2006."
 
O bispo jesuíta local Godfrey de Rozario tem seu próprio plano para proteger os moradores.
 
"O ministro Narendra me garantiu a segurança dos cristãos tribais, mas planejamos um programa paralelo para agir contra o kumbh. Esse festival cultural tribal vai coincidir com o kumbh, mas será realizado em uma vila vizinha."
 
Godfrey disse que os moradores cristãos e não-cristãos de 12 vilas ao redor de Subir vão participar do festival, apresentando artes tribais e trabalhos manuais, danças tradicionais e outras atividades.
 
O bispo Godfrey disse que isso pode deter ataques imediatos. Mas ele teme um recuo dos cristãos tribais depois do "kumbh."
 
"Esses hindus têm o direito de realizar sua programação religiosa, mas o website deles espalha o ódio contra os cristãos", disse Godfrey. "Isso é impertinente. Eles estão declarando abertamente e publicamente que haverá uma reconversão em massa."

Materiais de propaganda produzidos por organizadores desse evento hindu ainda estão circulando por Dangs. Materiais em CDs mostram claramente o plano de "reconverter" os moradores cristãos de Dangs para o "rebanho hindu".
 
Os organizadores acreditam que todos os membros desses grupos tribais indianos já foram hindus, a despeito do fato de que a maioria deles foi e continua a ser animista.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

© 2022 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE