Cristã que defendia a cruz é falsamente acusada de blasfêmia

| 13/04/2006 - 00:00


Uma cristã padece na prisão por defender a cruz da profanação. Naseem Bibi está em confinamento solitário, acusada de ter ofendido uma figura do Kabah, o mais sagrado santuário do Islã na Arábia Saudita. No dia 7 de abril, os juízes se recusaram a libertá-la sob fiança. Enquanto isso, seu marido e seus três filhos foram forçados a abandonar a casa em que viviam e se esconder, por medo de retaliação por parte de extremistas muçulmanos.

A mãe de família disse que protestou contra um grupo de muçulmanos que estava desenhando a cruz no alto de um monte de lixo. A direção da cadeia não permitiu que uma equipe da organização protestante Missão Paquistanesa de Compartilhar a Vida (SLMP, sigla em inglês) visitasse a detenta. A SLMP divulgou uma declaração de Gulzar Masih, marido de Nassem, em que ele conta a história de sua esposa.

Olho por olho

Tudo começou em 3 de março, quando vários muçulmanos protestavam contra as caricaturas de Maomé perto da casa de Naseem, em Kasur. "Eles levavam cartazes com insultos ao presidente norte-americano George W. Bush e também contra o cristianismo", contou Gulzar. "Naseem viu os manifestantes desenharem a cruz em cima de um monte de lixo e então ela saiu para reclamar do gesto profano". A mulher disse aos manifestantes que eles estavam violando um símbolo sagrado do cristianismo, enquanto protestavam exatamente pelo mesmo tipo de ofensa contra a fé professada por eles.

De acordo com o relato de seu marido, Naseem foi agredida e despida em público. O grupo de muçulmanos foi embora, retornando poucas horas depois com uma imagem do Kabah manchada com excrementos. Um homem acusou Naseem de blasfêmia e a polícia, que veio imediatamente, levou a mulher para a delegacia. Gulzar admitiu que não tentou ajudar a esposa porque estava com medo.

A SMLP disse que um caso de blasfêmia foi aberto contra a mulher e que seu marido ainda está impossibilitado de visitá-la depois de mais de um mês.

A chamada lei de blasfêmia (artigo 295 do código penal paquistanês) determina a prisão perpétua por ofensas contra o Alcorão e a pena de morte por atos difamatórios contra o profeta Maomé. A comunidade cristã e grupos de direitos humanos têm exigido a abolição da lei. Entretanto, o governo tem apenas introduzido emendas inócuas.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

Home
Lista mundial
Doe
Fale conosco