Líderes de igrejas domésticas chinesas são presos e multados

| 02/07/2006 - 00:00


A Associação de Ajuda à China, uma organização norte-americana que monitora a perseguição religiosa, informou que, entre os dias 27 e 28 de maio, 30 líderes de igrejas domésticas da cidade de Langzhong, província de Sichuan, foram detidos e obrigados a pagar multas.

"Catorze cristãos receberam ordem de prisão provisória depois de terem sido brutalmente maltratados", informou a CAA. Testemunhas e membros das famílias das vítimas disseram que a invasão e as prisões aconteceram de 11 horas da manhã do dia 27 de maio, até às 9 horas da manhã do dia seguinte, enquanto o grupo estava reunido para um encontro de comunhão de obreiros.

A organização cristã informou ainda que "depois do encontro, quinze membros do Comitê de Segurança Pública chegaram em seis veículos policiais e invadiram o encontro. Alguns dos detidos foram libertados em 28 de maio. Na manhã do dia 29, catorze cristãos receberam ordem de prisão. São eles: os pastores Li Ming, Wang Yuan, Li Jinbo, Li Chengxi, Shi Zhihe, Gou Yongcai, Jin Jiyun, a irmã Wang Shushua, Gou Qingju, Ke Xiufang, Sun Changfen, Hu Yongju, Zhang Shulan e Liao Zhoulan.

Entre os cartoze presos, os pastores Li Ming, Wang Yuan, Li Jinbo e Jin Jiyun são importantes líderes da Igreja Doméstica Aliança. Essa igreja foi estabelecida em 2004 e é composta de 300 mil membros de vários movimentos de igrejas domésticas espalhados por 21 províncias.

Desumanidade

De acordo com a informação da CAA, "testemunhas disseram que durante a detenção e o interrogatório os cristãos foram tratados com desumanidade, sendo duramente agredidos. O pastor Li Ming, que é um dos sete principais líderes da Igreja Aliança no país, foi visto recebendo golpes e chutes de seis policiais. A cabeça e o abdômen eram as regiões mais visadas."

A CAA informou ainda que, nas últimas semanas, várias igrejas domésticas de Pequim, Shangdong e  Guangdong foram forçadas pelas autoridades a interromper suas atividades.

"Essas prisões e detenções ilegais são uma indicação preocupante de que a liberdade religiosa está se deteriorando na China", disse Bob Fu, representante da CAA. "Pedimos à comunidade internacional que exija que o governo chinês honre suas obrigações internacionais de respeitar e proteger os direitos religiosos dos cidadãos chineses." A organização quer a imediata libertação desses líderes cristãos inocentes.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2023 Todos os direitos reservados

Home
Lista mundial
Doe
Fale conosco