Governo chinês quer maior controle sobre notícias

| 06/07/2006 - 00:00


O rígido controle do governo chinês sobre a imprensa deve se tornar ainda maior: um projeto de lei propõe multas que variam de 50 mil a 100 mil iuans (de 6.250 a 12.500 dólares) para quem publicar reportagens não-autorizadas sobre emergências. A multa poderá ser aplicada não apenas aos veículos locais, mas também a órgãos da mídia internacional, incluindo as agências de Hong Kong.

O comunicado foi feito por Wang Yongqing, vice-diretor do Gabinete do Conselho Estadual de Assuntos Legislativos. Wang Yongqing disse que a lei é apenas um meio de combater o jornalismo irresponsável, que espalha notícias mentirosas e causa "graves conseqüências sociais".

O Congresso Nacional do Povo está debatendo o projeto de lei, que pode entrar em vigor no próximo ano. O projeto proíbe a mídia de publicar notícias sobre "situações de emergência" sem primeiro ouvir opiniões dos líderes locais. A lista de emergências relacionadas pela lei inclui: desastres naturais, risco de saúde pública e "crises sociais envolvendo segurança", entre as quais estão os confrontos entre camponeses e a polícia.

O acelerado desenvolvimento econômico das últimas décadas tem em sua origem muitas revoltas sociais, as quais estão sempre se multiplicando; e vários desastres ecológicos, fontes de preocupação para o povo e de muito motivo para criticar o governo.

Sem dúvida, a lei tem o objetivo de colocar um freio nas notícias sensacionalistas, mas arrisca produzir um obscurecimento nas informações. O governo chinês, por tradição, procura sempre diminuir a importância das crises.

Perseguição é "segredo de Estado"

Li Datong, ex-editor do suplemento "Bingdian" - demitido por ser muito franco em suas investigações e liberal em suas interpretações - disse ao "South China Morning Post": "Todos sabemos que a primeira resposta do governo a uma emergência pública é mentir. Por exemplo, no começo, eles negaram, durante cinco meses, que havia uma epidemia de SARS , Quando eles cortaram o fornecimento de água em Harbin, depois do derramamento de químicos no rio Shongua, primeiro, eles alegaram que estavam apenas fazendo reparos na tubulação".

A China já possui outras leis que protegem os chamados "segredos de Estado" que prescrevem longas penas para quem os publica na mídia. Notícias sobre a perseguição religiosa estão listadas entre esses "segredos".

Mesmo a internet tem sido cada vez mais monitorada. Recentemente, Cai Wu, um porta-voz do governo, disse que o governo queria começar a censurar "informações prejudiciais" difundidas pelos blogs. Há um planejamento para registrar todos os blogs e sites em que os chineses possam conversar on-line. Existem pelos menos 60 milhões de blogs na China.

Ao mesmo tempo, a censura de sites de busca continua, bloqueando palavras e expressões como democracia, Tibete, Taiwan e perseguição religiosa. Recentemente, alguns jovens digitaram o endereço eletrônico do AsiaNews (normalmente bloqueado) em um cyber café em Pequim. A página aparecia por 30 segundos e então desaparecia. Para ler um parágrafo de uma notícia foi necessário continuar digitando o endereço eletrônico. Em pouco tempo, dois policiais apareceram para examinar o local.

Muitos observadores dizem que o empenho da China em censurar a internet é praticamente inútil: muitos chineses possuem programas que possibilitam driblar os filtros da web.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE