Bispo pede que caso de jovem assassinado não seja esquecido

| 07/07/2006 - 00:00


O bispo de Faisalabad apela para que a comunidade internacional "não se esqueça do caso de Javed Anjum, o jovem que foi assassinado por se recusar a negar Cristo". Ele afirmou que "a atenção precisa estar voltada para o julgamento, que corre o risco de ser suprimido por causa das ameaças e da violência de extremistas islâmicos contra o advogado e a família do jovem".

O bispo Joseph Coutts fez esse apelo na semana passada, durante a apresentação, em Lisboa, do relatório de 2006 sobre a liberdade religiosa, publicado pela Ajuda à Igreja Necessitada.

Em março, 23 meses depois do homicídio, o julgamento de dois dos três assassinos terminou, e Ghulam Rasool e Muhammad Tayab foram sentenciados a 25 anos de cadeia. Umar Hayat, clérigo islâmico e reitor da madrassa (escola islâmica) onde ocorreu o crime, é o terceiro assassino presumido. Ele foi preso em janeiro, depois de ficar foragido por 22 meses, e o veredicto contra ele está para ser proferido.

Pressão por justiça

Em abril de 2004, três homens torturaram o rapaz durante cinco dias inteiros, na tentativa de forçá-lo a se converter ao islã. Quando a perseguição se mostrou infrutífera, eles entregaram Javed à polícia e registraram acusações falsas contra ele. Os ferimentos que ele sofreu foram tão graves que o tratamento médico não obteve resultado. O rapaz morreu em 2 de maio em um hospital estadual de Faisalabad: o atestado médico declara que o cristão morreu em decorrência de "26 ferimentos graves resultantes de tortura".

No hospital, Javed chegou a identificar um de seus perseguidores, Ghulam, que foi preso imediatamente. No interrogatório, ele mencionou Muhammad e Umar como seus cúmplices.

"O reitor da madrassa em Toba está sendo processado como o maior responsável pela tortura que matou Javed", disse Joseph Coutts. "Recentemente, entretanto, o advogado, que é apoiado pela igreja, recebeu ameaças contra ele próprio, sua esposa e seus três filhos". Como resultado dessas ameaças, que se tornaram cada vez mais freqüentes e perigosas, a família do advogado fugiu para o sul do país.

O bispo continuou: "Precisamos continuar a pressionar por justiça. Esses grupos islâmicos são muito poderosos. Eles podem fazer com que um assassinato pareça um acidente. Não podemos ceder: eles precisam admitir o horror de seus crimes".

"De acordo com a fé islâmica, é pecado induzir uma conversão por coerção. Mas os que cometeram esse crime acreditam que a violência contra um jovem é a chave para o céu. Eles têm que entender que cometeram um erro", acrescentou Joseph Coutts.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE