Sete cristãos indianos são acusados de "ocultação de identidade&q

| 04/09/2006 - 00:00


Uma corte do Estado de Jammu e Caxemira concedeu fiança, no dia 1º de setembro, a dois pastores e cinco seminaristas que tinham sido detidos pela polícia no dia anterior sob acusações de "ocultação de identidade" e "conversão forçada".

O pastor P. R. Anthony, o pastor Reji K. Sunny e cinco seminaristas - Umesh Kumar, Tarsan Chand, Samuel Masih, Kamal Jeet e Baldev Raj - foram detidos pela polícia do distrito de Kathua na tarde do dia 31 de agosto.

Os sete cristãos devem comparecer à corte em 16 de setembro.

O pastor Anthony e os seminaristas são do Instituto de Educação Cristã na área de Shivagiri, no distrito de Kathua. O pastor Sunny é de outro Estado e visitava o instituto.

"Embora o pastor Anthony esteja vivendo na área nos últimos 15 anos, ele não sabia que era necessário um registro", disse um líder cristão local, que pediu para não ser identificado. Ele acrescentou que investigadores do governo foram ao centro educacional em julho e tomaram os nomes de todas as pessoas que vivem no prédio alugado.

Um grupo de extremistas hindus tirou fotos dos cristãos assim que eles foram libertados e saíram da delegacia, segundo esse líder.

Rajesh Kacharia, oficial da delegacia de Kathua, disse que os sete cristãos foram detidos por ocultar a identidade. Eles foram presos sob a seção 109 do Código de Procedimentos Penais, que trata dos registros obrigatórios de pessoas que vêm de fora desse Estado marcado pela violência terrorista.

"Recebemos outra queixa contra eles, de conversão forçada", acrescentou Rajesh.

Perguntado se as queixas eram de organizações extremistas hindus, ele afirmou: "Não podemos revelar quem registrou a queixa ou se alguma organização está por trás disso. A investigação está em andamento".

Artigos tendenciosos

O líder cristão contou que as organizações extremistas hindus Rashtriya Swayamsevak Sangh (RSS) e Bajrang Dal estavam promovendo manifestações contra os cristãos na área durante a última semana. "Muitos jornais em hindi (principal idioma do norte da Índia), como o "Dainik Jagran", também publicaram artigos tendenciosos, sugerindo que os cristãos estão convertendo os hindus à força", acrescentou.

Ele também disse que os jornais alegaram que o pastor Anthony tinha forçado uma pessoa pertencente à fé sikh a cortar o cabelo e remover o turbante. O pastor nega a acusação.

A Comunidade Evangélica da Índia liberou um documento dizendo que o superintende de polícia tinha expressado preocupação com as ações contra a comunidade cristã do distrito de Kathua. O documento afirmou que o superintendente garantiu que "os cristãos foram tratados com dignidade e receberam acomodações apropriadas enquanto estavam na delegacia".

O reverendo Mandhu Chandra, um líder do Conselho Geral Cristão da Índia (AICC, sigla em inglês), disse que é evidente que o Bajrang Dal e o RSS planejaram a detenção. "Nos últimos dias, esses grupos vêm acusando os cristãos de converter os hindus usando a força e métodos fraudulentos", disse ele.

O AICC apelou às autoridades estaduais, à Comissão Nacional de Minorias e à Comissão Nacional de Direitos Humanos para que "protejam a inocente comunidade cristã de Jammu e Caxemira da perturbação de religiosos fanáticos".


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE