Conferência iraniana sobre o Holocausto causa indignação mundial

| 14/12/2006 - 00:00


A conferência sobre o Holocausto organizada pelas autoridades iranianas, questionando a realidade desta tragédia, motivou uma condenação unânime no mundo, começando pelos chefes de governo alemão e israelense reunidos nesta terça-feira em Berlim.

Rejeitamos categoricamente esta iniciativa iraniana, e a Alemanha nunca aceitará este tipo de evento, declarou a chanceler Angela Merkel.

Esta conferência mostra o caráter inaceitável do governo iraniano e o perigo que representa o Irã para o Ocidente, frisou o primeiro-ministro israelense Ehud Olmert, que durante sua primeira visita à Alemanha se recolheu em uma estação de trem berlinense de onde partiam os comboios levando os judeus para os campos de concentração nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

Na véspera, Olmert qualificou esta conferência de nauseabunda, considerando que ela provava o tamanho do ódio que tem o Irã dos judeus e de Israel.

Seu vice-primeiro-ministro, o Prêmio Nobel da Paz Shimon Peres, destacou que ao negar a realidade do Holocausto, (o presidente iraniano) Mahmud Ahmadinejad incentiva um novo holocausto. Ele denunciou o laxismo da comunidade internacional com os aiatolás iranianos que querem nos levar de volta aos dias sombrios em que se queimavam pessoas e livros.

Até quando a Europa aceitará que a memória da humanidade seja insultada, que a paz mundial seja ameaçada?, perguntou, por sua vez, Pierre Besnainou, présidente do Congresso Judaico Europeu (CJE).

O departamento de Estado americano denunciou na sexta-feira um gesto vergonhoso. A congregação de negacionaistas em Teerã é uma afronta feita a todo o mundo civilizado, assim como aos valores iranianos tradicionais de tolerância e de respeito mútuo, declarou nesta terça-feira Dana Perino, uma porta-voz da Casa Branca.

O Vaticano destacou nesta terça-feira que a Shoah foi uma tragédia horrível, diante da qual não se pode ficar indiferente, e lembrou em comunicado que o século passado foi testemunha da tentativa de exterminar o povo judeu, que teve como conseqüência o assassinato de milhões de judeus de todas as idades e categorias sociais.

A Comissão Européia também expressou sua indignação com a organização de uma conferência que questiona a realidade do Holocausto.

O comissário europeu para a Justiça, Franco Frattini, condenou uma afronta feita não apenas às vítimas e a seus descendentes, mas também ao mundo democrático.

O anti-semitismo não tem vez na Europa, e não deveria ter em nenhuma parte do mundo, sentenciou Frattini.

O premier britânico Tony Blair qualificou de incrivelmente chocante a conferência de Teerã.

Considerando incrível um tal símbolo de sectarismo e de ódio com as pessoas de outra religião, ele destacou que não acreditava que este evento contasse com o apoio da maioria dos iranianos.

O ministro francês das Relações Exteriores, Philippe Douste-Blazy, condenou a resurgências das teses negacionistas na conferência de Teerã, considerando-as inaceitáveis.

O chanceler italiano Massimo DAlema denunciou uma conferência inqualificável.

O governo brasileiro expressou seu repúdio à iniciativa sábado passado.

Por sua vez, o secretário-geral da ONU, Kofi Annan, lembrou que há um ano, a Assembléia Geral da ONU aprovou uma resolução que rejeita qualquer negação, mesmo parcial, do Holocausto como acontecimento histórico.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE