Portas Abertas visita viúva de pastor assassinado

| 02/01/2007 - 00:00


Na madrugada de 11 de outubro de 2006, Michael Dhaba, de 38 anos, foi assassinado por extremistas muçulmanos. Michael era um evangelista conhecido, dedicado a alcançar os muçulmanos com o amor de Cristo. Por meio de seu ministério, muitos muçulmanos vieram a conhecer a verdadeira paz com Deus.

Mesmo Michael tendo o respeito e a admiração de alguns xeiques, havia alguns que estavam insatisfeitos com a dedicação de Michael em ganhar almas para Cristo. Uma semana antes de sua morte, Michael teve uma visão, que lhe mostrava que ele seria assassinado.

Em 9 de outubro, a igreja Mekane Yesus foi incendiada. Os muçulmanos divulgaram uma lista que continha os nomes de quatro líderes da igreja, e o nome de Michael estava incluído.

Amigos antigos de Michael compartilharam com a Portas Abertas como Michael os encorajava a permanecerem firmes e fiéis: "Quando os muçulmanos queimaram a nossa igreja, estávamos preocupados com Michael, mas ele nos encorajou a não nos assustarmos, já que as autoridades da área prometeram nos proteger".

Na noite de seu assassinato, Michael passou um tempo na casa de um amigo seu, orando e compartilhando a Palavra de Deus. Já era tarde quando ele voltou para casa.

Confessando Cristo

Às 2 horas do dia 11 de outubro, extremistas muçulmanos foram à casa de Michael e exigiram que ele abrisse a porta da frente. Michael se recusou, então eles arrombaram a porta e entraram. Enquanto arrastavam o evangelista para fora de casa, eles diziam à esposa e aos seis filhos do casal que eles deveriam orar na mesquita no dia seguinte.

Os extremistas cercaram Michael no meio de seu terreno, e o forçaram a fazer a confissão de fé islâmica. Ele disse que não sabia a confissão, então os extremistas, impacientes, a recitaram, em árabe: "Não há deus a não ser Alá e Maomé é seu profeta". Michael respondeu em oromo, sua língua nativa: "Eu acredito no nome do Pai, de seu Filho e do Espírito Santo - o único Deus".

Os agressores reagiram, golpeando-o no pescoço com um facão. Apesar da gritaria deles, Michael continuou a confessar Jesus como o Senhor. Eles então atingiram seu braço com um facão e, embora estivesse sangrando e sentindo dor, Michael confessou Cristo mais uma vez aos seus agressores. Com o terceiro golpe, o corpo de Michael estava coberto de sangue.

Sua filha Mariam, de 12 anos, suplicou em prantos para os extremistas não matarem seu pai, mas foi em vão. Meskele e seus filhos ficaram em pé, desamparados, enquanto testemunhavam o martírio de Michael.

A família traumatizada tentou fazer o melhor que pôde para ajudar Michael. Não havia quem os pudesse ajudar. Michael morreu enquanto orava por sua família.

Dor e privação

Meskele e seus filhos vivem agora com o pai de Michael, em uma área remota da Etiópia. Ela tem muito medo de voltar à sua antiga casa. Além do trauma, Meskele e seu sogro estão bastante desanimados e tristes com a morte de Michael. Entretanto, eles estão determinados a seguir Cristo, mesmo com a dor.

A Etiópia envolveu-se na crise da Somália, enviando soldados para ajudar o governo interino somali a combater as milícias da União das Cortes Islâmicas, uma força guerrilheira cujo objetivo seria o de transformar a Somália num Estado islâmico. Acredita-se que a Al-Qaeda e o governo da Eritréia (inimigo histórico da Etiópia) estejam apoiando as milícias rebeldes. Esse estado de guerra faz com que o número de refugiados na região aumente a cada dia, agravando a crise humanitária que afeta também os etíopes.

Atualmente, Meskele não tem nenhuma renda. Uma igreja da região tenta ajudar ela e seus filhos, mas há outros cristãos que também dependem da ajuda da igreja, pois a comunidade é muito pobre. Nenhum de seus seis filhos está freqüentando a escola, já que Meskele não pode pagar as mensalidades.

A Portas Abertas deu ajuda à família de Meskele, levando comida para dois meses, roupas, utensílios domésticos, roupas de cama e colchões.

Michael foi a única pessoa da lista a ser assassinada. Os outros três líderes da igreja fugiram da área logo depois de a lista ter sido divulgada.

Michael havia feito quatro anos de estudos teológicos por correspondência. Ela era evangelista em tempo integral havia mais de 10 anos e seu objetivo era plantar igrejas e evangelizar muçulmanos.

A Portas Abertas iniciou uma campanha de cartas para essa família. Clique aqui e veja como participar!


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE