Talibãs matam um dos 23 sul-coreanos seqüestrados

Os talibãs executaram hoje um dos 23 reféns sul-coreanos que foram seqüestrados no Afeganistão e ameaçaram matar outros se Cabul não aceitar rapidamente uma troca de prisioneiros, fixando um "último prazo" para as 20h30 do horário local  (17h30 de Brasília). Horas depois, o corpo de um sul-coreano foi encontrado crivado de balas.

"Matamos hoje um sul-coreano porque o governo (afegão) não é honesto nestas negociações", declarou por telefone à AFP Youssouf Ahmadi, porta-voz dos talibãs, indicando que se tratava de um homem.

Esta execução, a primeira de um refém estrangeiro no Afeganistão desde a de um indiano em abril de 2006, ocorreu na província de Ghazni (140 km ao sul de Cabul), e foi confirmada pela delegação governamental afegã.

"Fixamos um novo e último prazo que expira às 20h30 GMT desta quarta-feira. Se nossas exigências não forem satisfeitas, mataremos outros reféns", advertiu Youssouf Ahmadi.

A agência de notícias sul-coreana Yonhap, citando uma fonte do governo local, afirmou que oito reféns foram soltos, informação desmentida pelo governador de Ghazni, Mirajuddin Pattan.

"As negociações continuam, mas ninguém foi libertado", disse.

Os talibãs exigem oficialmente a libertação de oito dos seus militantes, mantidos como prisioneiros no Afeganistão, pelo mesmo número de reféns sul-coreanos, antes de prosseguirem as negociações sobre o destino dos outros reféns.

Ação missionária

Os 23 voluntários da igreja evangélica de Saemmul, em sua maior parte mulheres com idades de 20 a 30 anos, foram seqüestrados na quinta-feira passada próximo de Qarabagh, enquanto viajavam em um carro particular na estrada Cabul-Kandahar (sul), que atravessa áreas sob controle dos insurgentes.

É o maior grupo de estrangeiros seqüestrados no Afeganistão desde a queda do regime fundamentalista dos talibãs no final de 2001.

Os talibãs mantêm em seu poder ainda um engenheiro alemão e outros quatro afegãos, seqüestrados no dia 18 de julho na província de Wardak (100 km ao sul de Cabul), e por estes também exigem uma troca de prisioneiros.

Reféns alemãos

Durante a madrugada, um jornalista alemão e seu guia afegão foram seqüestrados e horas depois libertados.

O jornalista alemão é Christoph Reuter, da revista Stern, informou a organização de defesa da imprensa Repórteres Sem Fronteiras.

Reuter e seu intérprete foram seqüestrados durante a madrugada na casa de um chefe tribal na província de Kunar, fronteira com o Paquistão.

Segundo as autoridades locais, o jornalista viajou ao distrito de Watapur para investigar os bombardeios da Otan que causaram 23 mortos civis há duas semanas.

Um homem que se apresentou como um comandante talibã, Qari Ishat, reivindicou o seqüestro.