Cristãos enfrentam discriminação social e perseguição religiosa

| 26/08/2007 - 00:00


O padre Emmanuel Asi, secretário da Comissão Bíblica do Paquistão, considera que os cristãos no país vivem uma situação muito difícil de "discriminação social, opressão política e perseguição religiosa".

Em diálogo com a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), na sede da organização, o também chefe do Instituto Laical de Teologia de Lahore explicou que os cristãos no Paquistão são considerados cidadãos de segunda classe, sendo-lhes negados os mais elementares direitos humanos.

O sacerdote disse que a agressão aos cristãos motivada por motivos religiosos "em qualquer momento" gera "todos os tipos de problemas que alguém possa imaginar". "O temor e o sentimento de insegurança entre os fiéis são grandes", completou.
 
A Comissão Bíblica Católica, que recebe ajuda da AIS, publicou a nona edição da Bíblia em urdu, idioma oficial do Paquistão juntamente com o inglês. "Os nossos fiéis nutrem um amor natural e inato à Sagrada Escritura", apontou o padre.

Este responsável falava no contexto das celebrações do 60.º aniversário do país, celebrado no dia 14 de Agosto. Segundo o clérigo, o ideal do "Pai da Nação Paquistanesa", Ali Jinnah, viu-se obscurecido e a abertura que ele proclamava para aceitar todos sem discriminar as pessoas por causa da sua fé "já não existe".


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE