Justiça condena à morte muçulmano por assassinato de cristão

O comandante regional do Jama"atul Mujahideen Bangladesh (JMB, uma organização islâmica em Bangladesh), Salahuddin, conhecido como "Salehim", foi sentenciado à morte por matar Hridoy Roy, ex-muçulmano. O veredicto foi proferido em Daca, no dia 20 de agosto.

Hridoy foi morto por membros do JMB, liderados por Salehim, no dia 23 de abril de 2003. Ele ele tinha cerca de 20 anos quando morreu. O inquérito do assassinato foi aberto junto à polícia de Sarishabari, mas os suspeitos não foram identificados e permaneceram ocultos por um bom tempo.

Passados mais de dois anos do assassinato, Salehim foi detido pela acusação de estar envolvido na onda de bombardeios em agosto de 2005. Durante este julgamento, ele confessou ter matado Hridoy.  Salehim contou que recebera ordens do sheik Abdur Rahman, presidente da JMB, que foi enforcado em segredo com seis outros militantes, em abril do ano passado.

Catorze testemunhas o incriminaram no assassinato do cristão, mas Salehim não se arrependeu.

Nem um pouco arrependido

"Não irei recorrer à corte, nem pedir clemência. Senti prazer em matar Hridoy, um inimigo do islã... eu recorrerei a Alá para julgar os que estão envolvidos em dar esse veredicto. O Alcorão permite o assassinato daqueles que deixam o islamismo para serem cristãos. Hridoy foi morto sob ordens de Alá" , disse ele após a audiência.

Hridoy Roy serviu ao Senhor através da Christian Life Bangladesh (CLB) como evangelista. Ele ganhou a ira dos fundamentalistas islâmicos na vizinhança quando exibiu o filme "Jesus", a despeito das ameaças. Por meio da CLB, a Portas Abertas ajudou a família de Hridoy a reconstruir sua casa no ano passado.