Ativistas lançam ações legais para silenciar cristãos

A Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) formalizou no dia 27 de agosto, junto ao Ministério Público Federal, pedido de tomada de providências referente à edição do Programa do Pastor Silas Malafaia, “Vitória em Cristo”, veiculado pela Rede Bandeirantes e pela Rede TV no dia 4 de agosto, e atualmente disponível em seu website.  

A edição em questão do programa trata de “Homossexualismo, aborto e células-tronco”, e retrata a homossexualidade de acordo com os ensinamentos da Bíblia. A ABGLT vê essa pregação como claramente discriminatória e como agressão à luta dos militantes gayzistas pela implementação de sua agenda na sociedade.

A ABGLT solicitou ao Ministério Público que:

1) Averigue a infração da legislação referente a emissoras de televisão pela Rede Bandeirantes e pela Rede TV, com a aplicação das medidas cabíveis, bem como a concessão do direito a resposta pela ABGLT.

2) Promova ações contra atitudes contrárias ao homossexualismo, tanto por parte das duas emissoras quanto por parte do próprio Pastor Malafaia.

A mesma solicitação de tomada de providências foi encaminhada para o serviço de Ouvidoria do Ministério das Comunicações e também para o sistema de denúncias da Campanha Ética na TV, da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados.

Ações contra Jesussite e Ministério Apologético Cacp

Essa ação contra o pastor e psicólogo Silas Malafaia segue outras ações da mesma entidade. No dia 3 de agosto, a ABGLT entrou com uma representação junto à Procuradoria da República no Estado da Bahia em defesa do líder máximo do movimento homossexual brasileiro, Luiz Mott e em desfavor dos criadores dos sites evangélicos Jesussite e Ministério Apologético Cacp e o site de informação Mídia Sem Máscara. Cada um desses sites publica, há muitos anos, artigos de Julio Severo.

Com óbvia meta de perseguição, a representação gayzista pede aos promotores federais que apurem “o crime de curandeirismo, charlatanismo, infâmia, difamação” e calúnia praticados pelos sites religiosos, além da abertura de uma ação penal.

Ação contra psicóloga cristã

A ABGLT também entrou com uma representação no dia 21 de agosto contra a psicóloga Rozangela Alves Justino, no Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro. Outros 71 psicólogos pró-homossexualismo assinaram a ação.

O argumento da ABGLT é que a psicóloga evangélica “apóia e desenvolve programas de ‘reversão’ e/ou ‘resgate’ da homossexualidade à heterossexualidade”.