Autoridades sauditas libertam cristãos egípcios

| 08/12/2003 - 00:00


Dois coptas egípcios presos pelas autoridades sauditas foram libertados 17 dias depois de presos por terem organizado uma igreja doméstica para estrangeiros na capital, Riad.

O Dr. Sabry Awad Gayed e Eskander Guirguis Eskander, ambos com 38 anos, foram informados ao saírem da prisão no dia 11 de novembro, que eles estavam sendo libertados com a aprovação de seus patrocinadores.

Isso significa que as acusações contra eles não foram retiradas, disse a esposa de Gayed, Dra. Salwa Khalil à Portas Abertas do Cairo. O caso ainda não está encerrado. Por isso, não sabemos qual será o próximo passo.

O Dr. Khalil disse ter sido informado que eles foram libertados por ordem explícita do príncipe Sultan, Segundo Vice Primeiro Ministro da Defesa do reino saudita. Foi solicitado ao príncipe por escrito que revisse o processo contra os dois cristãos, que se acredita terem sido presos sem motivo justo.

É habito do Ministério do Interior saudita deportar cristãos estrangeiros acusados de envolvimento em atividades de adoração ilegal. Mas depois que Gayed foi libertado, o seu empregador saudita disse que estava tentando transferi-lo para uma outra de suas clínicas médicas em outra área.

De acordo com a esposa de Gayed, muçulmanos fanáticos egípcios queixaram-se contra o pediatra cristão copta depois que ele tornou-se gerente da clínica médica de seu patrocinador saudita em El Bat´ha.

Os acusadores de Gayed, ao que se sabe, deram queixa contra ele ao Comitê do governo saudita para Promoção da Virtude e Prevenção contra o Vício, declarando que um cristão não deveria ter permissão para gerenciar a clínica e dirigir seus empregados muçulmanos. De acordo com a lei islâmica, é ilegal uma pessoa não muçulmana exercer um cargo de autoridade sobre um muçulmano.

Muçulmanos fanáticos egípcios estão causando problemas agora aos cristãos que trabalham na Arábia Saudita, disse a Portas Abertas um cristão árabe que trabalha em Riad há três anos. Basicamente, os sauditas estão apenas interessados em ganhar dinheiro, e acreditam que os cristãos são empregados bons e confiáveis. Mas alguns egípcios extremistas queixam-se deles, chamando-os de infiéis.

Os dois homens foram detidos em suas casas no dia 25 de outubro, fichados na delegacia de polícia e presos. Eles foram acusados de estabelecer um templo (local de culto não-muçulmano). Os dois coptas tinham freqüentado regularmente uma igreja doméstica para cristãos árabes estrangeiros que se reuniam em particular em Riad há vários anos.

Depois que o príncipe Sultan reviu o processo, ordenou que Gamel e Eskander fossem soltos no dia 4 de novembro; entretanto, levou uma semana inteira para que a ordem do príncipe fosse cumprida.

De acordo com parentes e amigos dos prisioneiros soltos, os dois cristãos não sofreram abusos físicos e tiveram um tratamento respeitoso durante os 17 dias em que estiveram sob custódia.

A Arábia Saudita proíbe estritamente que não-muçulmanos realizem cultos públicos. Mas, membros importantes da família real continuam insistindo que os não-muçulmanos que vivem no reino são livres para cultuar particularmente em suas casas.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE