Professora britânica é condenada a 15 dias de prisão

O tribunal sudanês julgou a professora britânica por supostas ofensas contra islamismo  e a considerou culpada. Ela foi sentenciada a 15 dias de prisão e a abandonar o país logo em seguida.

Gillian Gibbons foi acusada de ofender as crenças religiosas muçulmanas e incitar o ódio.  Ela havia pedido aos seus alunos que escolhessem seu nome favorito para um urso nde pelúcia, e 20 das 23 crianças votaram por "Maomé".

Uma hora antes do veredicto os advogados da defesa tinham se mostrado confiantes com a sessão do julgamento que começou na tarde de ontem e terminou poucas horas depois.

Inicialmente, os funcionários da Embaixada britânica e advogados de Gibbons foram proibidos de entrar no recinto, mas depois acabaram sendo autorizados.

O diretor da escola, Robert Boulos, afirmou que a professora não queria insultar o Islã e só seguia o programa educativo britânico destinado a ensinar aos menores o mundo animal e o tema deste ano era o urso, segundo a imprensa britânica.

De acordo com a embaixada britânica, a professora nunca teve a intenção de ofender, ao chamar ursinho desta forma.

Medo de represálias

A sharia (lei islâmica) é rigorosamente aplicada no norte do Sudão, onde o Islã é religião majoritária.

A direção do colégio particular no qual Gibbons trabalhava como professora de língua inglesa, anunciou o fechamento de suas instalações por medo de que aconteçam ataques contra a instituição.

(Texto acrescido de informações da BBC Brasil)