Evangélicos criticam promoção de festas religiosas pelo governo

| 21/12/2007 - 00:00


Pastores e líderes evangélicos criticaram o governo nicaragüense que declarou a virgem Maria padroeira da Nicarágua. Também criticaram os deputados que, em sessão reunida em León, recordaram o 150º aniversário das celebrações da “Griteria” em honra a mesma virgem e que remonta aos padres franciscanos.

A primeira-dama, Rosario Murillo, secretária de Comunicação e coordenadora dos Conselhos de Poder do Cidadão (CPC), surpreendeu os evangélicos ao anunciar que a virgem Maria é a padroeira da Nicarágua. Ela assegurou que o presidente Ortega instruiu os chefes das repartições públicas a celebrarem a virgem.

A declaração da primeira-dama provocou a reação de líderes e teólogos evangélicos, como Ernesto Cuadra, Omar Duarte, Gilberto Aguirre, e o pastor José Luis Rodríguez, que solicitaram ao governo para que se ajuste ao artigo 14 da Constituição, que diz que o Estado não tem religião.

O professor Gilberto Aguirre, líder batista, disse que os poderes do Estado não são confessionais e isto que estão fazendo é “uma vergonha”, porque estão voltando a uma época já superada.

"É muito triste ver o governo e o parlamento promovendo uma celebração religiosa, isso nos leva a uma época superada pela Reforma protestante, e na Nicarágua pela revolução liberal do general Santos Zelaya, em 1893", afirmou.

Liberdade de escolha

Cuadra disse que o melhor conselho que se pode dar ao governo é para que volte aos tempos da Igreja primitiva. O pastor Duarte recordou que cada qual é livre para escolher qual é seu padrão espiritual. "Neste caso, Maria pode ser padroeira dos católicos, mas não de todos os nicaragüenses", disse. Cuadra destacou que 34% da população do país são evangélicos.

Pastor da Igreja Apostólica, José Luis Rodríguez, expressou que as ações da Assembléia Legislativa e do governo violam os princípios constitucionais, ao promoverem ou apoiarem festas religiosas num Estado laico.

A teóloga católica Maria López Vigil analisou o fato de que a celebração da Purísima representa uma tradição cultural nicaragüense, mas disse que isso não justifica que o governo desrespeite a população que não é católica. A teóloga, que também é escritora de contos para crianças, considerou que o governo quer legitimar-se no religioso, mostrar-se generoso e devotado.

"Este governo não tem consciência laica, o governo deve ser menos confessional, embora lhe convenha ficar bem com a hierarquia católica, já que os pastores só mandam em seus bairros", observou Vigil.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE