Os cristãos enfrentam nova discriminação em Papua, Indonésia

| 05/01/2004 - 00:00


Num importante passo na direção da controvertida divisão do território agora conhecido como Papua em três diferentes províncias, o governo central da Indonésia nomeou no dia 14 de novembro o Brigadeiro General Abraham Octavianus Atuturi como primeiro governador de Irian Jaya Central.

Observadores da Indonésia dizem que essa ação tem o potencial de aglomerar os povos indígenas papuas - a maior parte deles cristãos - na menor e mais pobre das três províncias. As províncias ricas em recursos de Irian Jaya Ocidental e Central seriam povoadas por imigrantes muçulmanos.

Em entrevista ao Jakarta Post no dia 5 de dezembro, Aloysius Renwaring, do Instituto para o Estudo dos Direitos Humanos e Democracia disse que o grupo de direitos humanos apoiaria a controvertida divisão de Jacarta como forma de desviar o crescente movimento de independência de Papua.

A atividade de grupos favoráveis à independência como o recém formado Laskar Merah Putih ou a Frente de Defensores Vermelho e Branco tem levado a um constante aumento da violência em Papua nos últimos meses. Somente em novembro, pelo menos 10 membros suspeitos do Movimento Papua Livre foram mortos a tiros pelas forças de segurança.

A Casa dos Representantes da Indonésia aprovou no dia 13 de novembro a ação para dividir Papua, apesar da forte oposição dos papuas e outros críticos declarados, como o ex-presidente Abdurrahman Wahid.

Num alerta de oração publicado pela Aliança Evangélica Mundial, o Rev. John Barr disse que a percentagem de cristãos em relação aos muçulmanos em Papua tem declinado rapidamente nos últimos anos. Alguns dizem que a proporção já chega aos 40/60, com uma concentração de muçulmanos em direção ao ocidente.

O banido Laskar Jihad também age ativamente em Papua. Alguns relatos informam que os militantes do Laskar trabalham em silêncio para recrutar migrantes javaneses. Tem sido colocadas à venda camisetas e quinquilharias de Osama bin Laden nas ruas de Papua.

A formação de três províncias irá criar uma maioria muçulmana definida nas novas províncias de Irian Jaya Ocidental e Central, que também contêm a maior parte do petróleo, gás, cobre e ouro de Papua.

Papua, a terceira província, fica com o mesmo nome do território original e com a maioria de seus habitantes indígenas cristãos, mas com pouco de seus recursos naturais.

Em 2001, o governo indonésio decretou a autonomia para Papua e aprovou uma lei determinando a formação da Majelis Rakyat Papua (MRP), uma assembléia independente a ser composta inteiramente por papuas. A Lei Especial da Autonomia, de 2001, garantia que qualquer decisão para dividir Papua exigia a aprovação da MRP.

Entretanto, o governo renegou e rescreveu a lei em fevereiro de 2003, abrindo o caminho para dividir Papua sem o consentimento da MRP, que ainda não fora criada.

De acordo com a Lei Especial da Autonomia original, a MRP não era meramente um órgão consultivo. Era necessária sua aprovação para muitas decisões importantes, incluindo qualquer decisão para dividir a província.

Mas o novo decreto presidencial diz que será concedida autonomia somente dentro de cada província, tirando assim o direito dos papuas de se manifestar sobre a divisão.

Em setembro de 2003, as esperanças dos papuas de ter voz forte em sua região foram destruídas quando Hari Sabarno, ministro dos Assuntos Internos, afirmou que a MRP não seria mais do que uma instituição cultural.

O governo central opõe-se fortemente à idéia de dar poderes à MRP para anular as decisões do governador ou do conselho provincial, disse ele aos repórteres do Jakarta Post.

Foram mortas pelo menos cinco pessoas e dezenas ficaram feridas numa série de confrontos motivados pela declaração de Irian Jaya Central em agosto último. Os conflitos deram início também a uma guerra tribal entre papuas indígenas rivais.

Em resposta, o governo central de Jacarta adiou a organização de Irian Jaya Central, mas disse que continuaria com os planos para Irian Jaya Ocidental e eventualmente continuaria com a organização de outras duas províncias.

Uma reportagem num site indonésio circulada no dia 4 de dezembro disse que a tensão estava aumentando em Papua. O governo já reduziu os vistos de turistas à Papua de 60 para 30 dias e propôs recentemente uma completa proibição ao turismo estrangeiro na região.

Isso pode causar sérias dificuldades para a comunidade cristã. De acordo com o governador de Papua, Jaap Salossa: Muitas igrejas em Papua têm parceiros além-mar. Por isso, se a restrição planejada for aplicada indiscriminadamente, pode gerar novos problemas.

O chefe do Conselho, Jhon Ibo disse ao Jacarta Post no dia 4 de dezembro que o conselho está analisando quatro opções que podem ajudar o governo definir o futuro da região.

O Instituto para o Estudo dos Direitos Humanos e Democracia apelou à presidente Megawati Sukarnoputri para que ela honre o compromisso do governador de Papua, da legislatura provincial, dos líderes da igreja e de outros grupos da comunidade de manter toda a Papua como uma zona de paz.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE