Funcionária da British Airways perde batalha por seu crucifixo

| 11/01/2008 - 00:00


Uma funcionária da British Airways (BA) a quem a companhia aérea proibiu levar pendurado ao pescoço um pequeno crucifixo durante seu trabalho com o público perdeu sua batalha nos tribunais.

Nadia Eweida, de 56 anos, que trabalhava no aeroporto londrino de Heathrow, processou a BA por discriminação depois que seus chefes lhe disseram que não podia continuar usando a corrente com o crucifixo porque violava o regulamento sobre uniformes da companhia aérea.

Seu caso deu lugar a uma forte polêmica no Reino Unido e algumas pessoas ameaçaram boicotar a companhia enquanto vários clérigos e políticos criticaram a decisão da British Airways.

A BA modificou finalmente o regulamento no ano passado de modo que agora permite a seu pessoal portar símbolos religiosos.

Antes dessa mudança de política e visto que Eweida persistia em sua recusa de tirar o crucifixo, a companhia lhe ofereceu um novo posto de trabalho onde não teria que usar uniforme, o que a permitiria continuar exibindo o símbolo cristão.

Proposta de acordo

Eweida rejeitou a proposta e decidiu entrar na justiça após desprezar uma oferta de 8.500 libras (11.500 euros) da BA para não levar a questão aos tribunais.

Agora, um tribunal de Reading, no condado inglês de Berikshire, tomou uma decisão contra ela.

A companhia aérea argumentou que Eweida foi a única funcionária a se negar sistematicamente a cumprir o regulamento da BA sobre uniformes.

O tribunal chegou à conclusão de que a funcionária não podia se queixar de discriminação por religião e crença porque tinha sido aplicado a ela o mesmo tratamento que o resto do pessoal.

Após escutar o veredicto, Eweida expressou sua profunda decepção porque, segundo disse, tinha ido aos tribunais "em busca de justiça".


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE