Cristãos pedem o fim do estado de sítio em Gaza

| 25/01/2008 - 00:00


Os líderes das igrejas de Jerusalém e da Terra Santa pediram à comunidade internacional e ao Estado de Israel para que acabem com o estado de sítio na Faixa de Gaza, que motivou cortes de eletricidade e limitou remessas de medicamentos, combustível, alimentos e outros bens e levou milhares de palestinos a romperem a fronteira com o Egito para comprar gêneros de primeira necessidade.

A declaração dos líderes eclesiais, emitida na última quarta-feira, 23, sublinha que o estado de sítio em Gaza “aprisiona” cerca de 1,5 milhão de pessoas que carecem de alimentos e remédios apropriados.

Eles destacam que se trata "de um castigo coletivo ilegal, um ato imoral que viola tanto o direito básico humano e natural como o direito internacional. Não se pode tolerar mais. O estado de sítio em Gaza deve terminar imediatamente".

Na manifestação, os chefes de igrejas convidam os palestinos a se unirem para pôr fim às diferenças em benefício da população de Gaza, e instam o Estado de Israel a atuar com responsabilidade.

Em carta publicada ontem, o secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Samuel Kobia, pediu às 347 igrejas membros do organismo ecumênico internacional que orem pelo fim dos sofrimentos em Gaza e a se pronunciarem, frente aos seus governos, em favor da população de Gaza.

A carta pede solidariedade com as igrejas da Palestina, apoiando o trabalho que elas e as organizações humanitárias realizam.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE