Termina o julgamento de Mohammed Hegazy

| 06/02/2008 - 00:00


O juiz Muhammad Husseini disse em um veredicto no dia 29 de janeiro que é contra a lei islâmica um muçulmano deixar o islã e por isso negou o pedido de mudança de status religioso de Mohammed Hegazy em seu documento de identidade (entenda o caso).

“O juiz disse que ele poderia ter a crença que quisesse no coração, mas no papel não poderia se converter”, contou um dos representantes legais de Hegazy ao Compass.

A decisão do juiz Husseini foi fundamentada no Artigo II da Constituição Egípcia que faz da lei islâmica, a sharia, a base para a lei egípcia. O juiz disse que, de acordo com sharia, o islã é a religião final e mais completa.

Segundo ele, os muçulmanos já praticam a plena liberdade religiosa e não podem voltar a uma crença mais antiga (o cristianismo ou o judaísmo).

Questionamento

“O que aconteceu é uma violação aos meus direitos básicos", disse o cristão Mohammed Hegazy, depois da audiência à Associação Copta dos Estados Unidos. "O que o Estado tem a ver com a religião que eu abraço?"

Gamal Eid, líder da Rede Árabe de Informação para Direitos Humanos (ANHRI, sigla em inglês) cujos advogados têm representado o convertido, disse que ele ficou bastante desapontado com o veredicto.

“O juiz nem sequer escutou nossa defesa e nós não tivemos sequer a chance de falar antes do tribunal", disse Eid.

Em uma audiência anterior, Gamal Eid e sua equipe de advogados pediram a anulação do caso por conta de problemas de procedimento técnicos. O primeiro advogado de Hegazy, Mamdouh Nakhla, havia cometido vários erros processuais e se retirou em agosto passado após sofrer uma série de ameaças de morte.

Gamal Eid esperava reabrir o caso depois de pedir ao Departamento de Estado Civil do Egito para que mudasse a afiliação religiosa na identificação de Mohammed Hegazy, um pedido sem precedentes para um ex-muçulmano. Ele esperou o departamento rejeitar o pedido para então processar o governo.

Perseverança

Apesar da decisão, disse um representante da ANHRI, Hegazy ainda planeja apelar da decisão ou se possível abrir um novo caso. O esposa dele, Zeinab, também uma convertida do islã, planeja ir à Corte pedir o seu registro como cristã.

Ameaças de morte forçaram o casal, que teve uma filha em janeiro, a se esconder desde que o caso ganhou as manchetes dos jornais em agosto de 2007.

Embora vários muçulmanos se convertam ao cristianismo a cada ano, o estigma social de deixar o islã força a maioria a esconder a decisão. A designação religiosa de muçulmano na identidade obriga que eles tenham uma vida dupla. São obrigados a se casar segundo a sharia e a receber instrução religiosa islâmica na escola.

O desejo de Mohammed Hegazy era ganhar o status de cristão para que sua filha também pudesse viver como cristã.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE