Portas Abertas visita vítimas de Nensebo Chebi

Dias depois do ataque de extremistas muçulmanos a duas igrejas na remota vila de Nensebo Chebi, a Portas Abertas visitou as vítimas no hospital. Os cristãos traumatizados ficaram encorajados ao saber de nossa preocupação e oração por eles.

Oito muçulmanos portando facas e facões invadiram duas igrejas dessa aldeia no sul da Etiópia, e feriram as pessoas reunidas lá, matando imediatamente um cristão, Tulu Mosisa, da Igreja Kale Hiwot, que foi ferido por um golpe de facão que quase o decapitou (leia mais).

Gurmu, 28 anos, e Chane, 50 anos, perderam uma das mãos. Eles estão se recuperando, mas a reabilitação deles é preocupante, por morarem em uma região remota. Eles ainda não voltaram para Nensebo Chebi, e estão hospedados próximo ao hospital em caso de necessitarem de assistência médica.

A família do falecido Tulu Mosisa, que tinha 45 anos, não estava com ele na hora do ataque. Ele tinha ido trabalhar em Nensebo Chebi como lavrador, para sustentar sua esposa e seus oito filhos que moram em outra vila. Seu corpo foi enviado à sua vila natal para ser enterrado.

Menino de cinco anos se recupera

Boki, o garoto de cinco anos que teve o braço retalhado durante o ataque, também teve alta e voltou para casa alguns dias depois. Seu pai, Girma, disse à Portas Abertas que o braço de seu filho começou a sangrar assim que ele teve alta.

“Quando eles colocaram o gesso no braço de Boki, cobriram a ferida, mas ela continuou a sangrar. Eu o levei a outro médio, que removeu parte do gesso, para que a ferida não ficasse fechada. Isso ajudou a acalmar Boki.”

É claro que Boki ainda está traumatizado, e seus pais estão preocupados com ele. “O que eu posso fazer? Que Deus nos ajude! Minha esposa e eu estamos aqui para monitorar a medicação dele, e Boki não quer ficar sozinho. Quero agradecer a todas as pessoas que mostraram empatia com a nossa situação. Cristãos estão nos visitando e encorajando”, compartilhou Girma.

O policial cristão

Mulatu, 21 anos, é o policial que foi baleado. Ele teve alta do hospital de Addis Ababa e voltou à vila vizinha de Nensebo Chebi, para junto de sua esposa e seu filho.

Inicialmente achava-se que o tiro o tinha acertado entre as costelas, mas o relatório da polícia disse que o tiro foi no braço direito. Mulatu está se recuperando das feridas de facão em sua coxa e panturrilha. Ele retorna ao médico em um mês.

Situação atual em Nensebo Chebi

Nensebo Chebi está calma, e não foi registrada mais violência depois que os agentes federais assumiram o controle da área. Embora a administração local tenha pedido aos cristãos para que voltassem, eles preferiram ficar próximos às facilidades médicas em uma cidade vizinha.

A polícia federal não permitiu que líderes das igrejas-sede fossem à área até que a situação se acalmasse. Segundo esses líderes, a polícia lhe disse para não entrarem na vila, uma vez que eles poderiam ser facilmente identificados e, assim, poderiam suscitar outro ataque.

A polícia deteve 21 suspeitos, entre os quais há trêsadministradores da cidade, que estão sendo acusados de instigar e cooperar com os ataques.

Pedidos de oração: 

-  Louve ao Senhor por unir os cristãos por meio desses eventos

- Ore pelas vítimas que lidam com o trauma deixado pelo ataque e pela total recuperação delas

- Ore especialmente por Boki Abara e seus pais 

- Ore pelo processo de reabilitação de Gurmu e Chane, os cristãos que perderam a mão

- Peça a Deus por justiça