Indiano conta como pediu ajuda à equipe da Portas Abertas

| 20/05/2008 - 00:00


Naruji Kharadi (55 anos) e sua esposa Nawli (50 anos), ambos ex-hindus, enfrentaram oposição severa de seus familiares em três ocasiões nesse ano: 6 de janeiro, e novamente em 6 e 11 de fevereiro, somente pelo fato de serem cristãos. O filho de Naruji, Samuel Kharadi (29 anos) telefonou para a Portas Abertas em 12 de fevereiro para buscar conselho de como os pais deveriam agir nesta situação e agradece aos parceiros que ajudam a manter esse ministério.

Os pais de Samuel moram na vila de Kharbar, a alguns quilômetros da cidade de Udaipur, no Estado de Rajasthan, onde ele trabalha como motorista de uma igreja cristã.
Samuel disse que desde 2006 alguns parentes têm feito forte oposição à sua família depois que eles abraçaram o cristianismo. Apesar de outros moradores da vila e vizinhos os apoiarem, os irmãos de Naruji, Punji Lal e Kamaji; e seus proprios filhos, Vijay Pal, Ramesh Chand, Kanhaiya Lal e Narayan, ficaram contra eles. Eles estavam decididos a expulsar a família de Naruji da vila se eles não voltassem ao hinduísmo.

“Em 6 de janeiro, a casa de meus pais foi atacada. Os irmãos de meu pai, acompanhados por fundamentalistas hindus, apedrejaram a casa. Eles o acusaram de ter deixado a religião dos nossos antepassados, o amarraram e o espancaram seriamente. Eles o mantiveram assim por toda a noite. Durante todo o tempo eles tomaram bebidas alcoólicas e usaram linguajar vulgar”, declarou Samuel.

“Soube da situação por alguns cristãos que moram próximo à casa de meus pais. Chamei a polícia naquela noite – mas não recebi resposta. Na manhã seguinte, corri para a vila depois de apresentar uma queixa na delegacia de Kesariyaji. Forneci os nomes de todas as pessoas responsáveis por atacarem meus pais.

A resposta da polícia foi indiferente e o inspetor de serviço, Rajesh Joshi, ficou evidentemente do lado dos agressores. Ele considerava bem os irmãos do meu pai, pois eles possuíam terras e tinham boas condições financeiras.

Tortura

Recebi notícias de que eles estavam mantendo meu pai em cativeiro na casa de Vijay Pal. Mas quando chegamos lá, eles tinham desamarrado meu pai e o colocaram sentado com deles na varanda. O inspetor chegou e fez algumas perguntas, porém meu pai estava muito confuso para responder apropriadamente. Ele recebeu muitas pancadas na cabeça. Os agressores asseguraram que não houvesse ferimentos visíveis nele.

O inspetor apenas me alertou para desistir de mentir e espalhar rumores contra um homem “respeitável” como Vijay Pal. Mesmo quando outros moradores da vila e cristãos se juntaram para apoiar meu pai, o inspetor não prestou atenção quando pedimos para prender Vijay Pal e os outros. Neste ponto, o líder da vila humilhou meu tio, também um cristão, esbofeteando-o por pregar o evangelho e nos converter a Cristo.

Fiquei irritado porque a polícia não nos levou a sério. Mantendo a situação em oração, meu pai e eu voltamos para casa. Eu os levei para Udaipur para morar comigo por alguns dias, pois não sabia o que os homens poderiam fazer.

Houve alguma resposta da polícia. Recebi um telefonema em 8 de janeiro pedindo que todos nós fôssemos a uma delegacia perto da vila. A polícia queria que nós chegássemos a uma solução amigável para o problema, porque meus pais já haviam sido agredidos antes. Um alerta foi feito para que todos vivessem em paz ou enfrentariam investigação.

No entanto, apesar do alerta da polícia, a casa de meus pais foi apedrejada novamente em 6 de fevereiro. Os agressores também roubaram tudo o que havia na dispensa para a alimentação da família. Temendo pelas vidas deles, pedi a meus pais que viessem ficar em minha casa em Udaipur.

Meu pai tinha que voltar para casa em 10 de fevereiro para cuidar das poucas cabras e vacas que ele tem na vila ...mas na mesma noite, a casa foi apedrejada novamente.

Portas Abertas

Um pastor amigo me contou sobre a Portas Abertas e eu liguei procurando por ajuda diante dessa situação desesperadora. Aqueles que se opunham aos meus pais deixaram claro que ainda queriam que deixássemos o cristianismo ou fôssemos embora da vila. Eu estou agradecido pelo conselho dado pela equipe da Portas Abertas e pela ajuda dada naquele tempo de necessidade”.

A Portas Abertas entrou em contato por telefone com os oficiais da delegacia de Kesariyaji, e o inspetor Gyan Chand deu sua palavra de que eles investigariam o assunto e que as queixas contra os acusados seriam registradas. Estamos em contato com Samuel diariamente para saber se está tudo bem. Nossas orações estão com ele e com a família. Por isso, nossa equipe também conclama pessoas de todo o mundo a orarem por eles.

Pedidos de Oração:

1. Por favor, ore por Naruji e sua esposa Nawli para que eles sejam fortalecidos pelo Senhor e permaneçam firmes nesses momentos de dificuldade.

2. Ore por aqueles que se opõe à família: os irmãos de Naruji, Punji Lal e Kamaji, e seus filhos Vijay Pal, Ramesh Chand, Kanhaiya Lal e Narayan, para que eles venham a conhecer o Senhor.

3.  Ore por Samuel na sua tentativa de ajudar os pais, para que ele também seja fortalecido com sabedoria vinda do Senhor. Interceda para que a polícia investigue o caso e seja capaz de ajudar a família ameaçada e garantir justiça.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE