Tribunal adia julgamento de cidadã convertida ao cristianismo

O tribunal de Tiaret (sudoeste argelino) decidiu ontem (27/05) adiar o julgamento do processo contra a cidadã convertida ao cristianismo Habiba Kouider e determinou a procura por mais provas, informou a agência de notícias “France Presse”.

Alguns veículos de comunicação chegaram a informar que a argelina Habiba Kouider, de 37 anos, teria sido condenada ontem a dois anos de prisão e multada por ter sido encontrada num veículo com bíblias. O tribunal, no entanto, decidiu pelo adiamento para o “enriquecimento da prova de acusação”.

Segundo o presidente da Igreja protestante da Argélia, Mustapha Krim, ela foi encontrada com uma dezena de Bíblias, enquanto o Ministério para Assuntos Religiosos da Argélia atesta serem 25 Bíblias.

O procurador de Tiaret tinha requerido, no último dia 20 de maio, três anos de prisão contra Habiba ( leia mais).

No entanto, a secretária de Estado francês de Direitos Humanos, Rama Yade, havia qualificado como "triste" e "chocante" o processo contra Habiba Kouider e disse esperar por um "gesto de clemência" a seu favor.

"Em conformidade com a tradição e a hospitalidade da Argélia, creio que poderá haver um gesto de clemência", acrescentou Yama Yade.

Seis jovens cristãos podem pegar dois anos

O procurador do tribunal de Tiaret solicitou ainda uma pena de dois anos de prisão para seis jovens cristãos argelinos acusados do exercício ilegal de um culto não-muçulmano.

Os seis jovens foram  interpelados pela polícia argelina ao saírem de uma residência, onde, segundo a acusação, se realizava um culto protestante sem autorização.

O exercício de um culto não autorizado - muçulmano ou não muçulmano - está sujeito, na Argélia, a uma dupla autorização das autoridades: primeira relacionada ao local de exercício e a segunda, a do pregador que deve ser agregado e aprovado pelo Ministério para Assuntos Religiosos.