Governo muda a data da libertação de Manja Tamang

O governo nepali mudou a data da libertação de Manja Tamang, missionário da Gospel for Asia (GFA) que foi acusado falsamente de assassinato e condenado a 20 anos de prisão. Agora Manja deve sair da prisão apenas no dia 19 de fevereiro de 2009, de acordo com o líder do ministério GFA no Nepal, Narayan Sharma.

A data coincide com o Dia da Democracia no Nepal. Narayan se encontrou recentemente com o diretor geral do Departamento de Administração Carcerário do Nepal, para discutir o caso. "Foi uma conversa frutífera", informou. Segundo ele, o diretor disse que Manja será solto neste dia junto de outros 314 prisioneiros.

No entanto, se a nova Assembléia Constituinte do Nepal aprovasse, Manja poderia ser solto a qualquer hora.

Manja recebeu a notícia com muita esperança, uma vez que as recentes mudanças políticas no país acabaram por atrasar uma solução justa para o caso dele.

A monarquia no Nepal foi abolida recentemente e realizadas eleições democráticas. Os nepalis escolheram os membros do novo governo e Narayan ora para que os parlamentares possam intervir logo no caso de Manja.

A nova Constituinte é formada por maioria maoísta (comunista). Mas apesar do histórico de opressão aos cristãos, Narayan diz que o Nepal está agora mais aberto ao evangelho, se comparado ao período monárquico. O líder da GFA está esperançoso de que a mudança resulte na liberdade de Manja.

Nove anos na prisão

Manja foi preso em 1999 depois de tropeçar no corpo de um homem morto. Quando foi informar o incidente à polícia, extremistas anticristãos o acusaram de ser o assassino e ele foi condenado a 20 anos de prisão sem um julgamento justo.

Ele já cumpriu nove anos da sentença. Durante esse período, suportou torturas e açoites, mas também ganhou o respeito dos funcionários da prisão.

Graças ao seu testemunho, recebeu autorização para dar aulas para os demais presos e conduzir estudos bíblicos na cadeia. Ele agora ensina para 35 novos convertidos. Desde que foi preso, ele já foi responsável pela conversão e discipulado de muitos "missionários" que saíram de lá.

Narayan pede oração contínua para Manja e a família dele, como também para os prisioneiros que ele está discipulando. Ele também pede para que os cristãos orem pelos parlamentares recentemente eleitos no país, a fim de que eles sejam justos e devolvam Manja à liberdade.