Morte de jovem paquistanês pode ter motivação religiosa

| 15/08/2008 - 00:00


A polícia local paquistanesa declarou a morte de um jovem cristão, em maio, por suicídio, o que teoricamente não requereria nenhum tipo de investigação. No entanto, um inspetor geral, pressionado por um grupo de direitos humanos, decidiu reabrir o caso e acabou por prender dois muçulmanos, suspeitos de assassinato.

Adeel Masih, 19 anos, foi encontrado morto no dia 4 de maio em Hafizabad, no Paquistão. Seus parentes e os advogados de direitos humanos acreditam que o jovem tenha sido torturado e morto pela família de Kiran Irfan, 19 anos, uma moça com quem o jovem morto mantinha um relacionamento há um ano. A família dele considera sua morte como um “assassinato em nome da honra”.

O casamento entre homens cristãos e mulheres muçulmanas é proibido de acordo com uma interpretação severa da sharia (lei islâmica), e até contatos sociais como os dos jovens podem incitar reações violentas no Paquistão, país de maioria muçulmana com 170 milhões de seguidores da religião.

O Centro para Auxílio Legal, Assistência e Estabelecimento (CLAAS, sigla em inglês), grupo cristão de ações em defesa dos direitos humanos, apresentou o caso ao inspetor geral da província de Punjab, que determinou sua reabertura em 18 de julho. Mais tarde, o pai da jovem garota e o tio, Muhammad Riasat, foram presos. O distrito policial ainda está conduzindo as investigações.

Difícil relação com as autoridades

Membros da família de Adeel Masih contaram que, três meses atrás, quando foram registrar o ocorrido na polícia local, os policiais não cooperaram em abrir uma investigação, já que os suspeitos eram muçulmanos e a vítima era cristã.

“A polícia disse: “‘Nós vamos primeiro apurar se Adeel cometeu suicídio’, porque os culpados contaram às autoridades sobre o fato de que a garota queria seguir o cristianismo por causa de Adeel’”, disse Aneeqa Maria, da equipe da CLAAS. “A polícia estava tendenciosa e passou a protelar o assunto, já que quanto mais tempo demorasse para registrar o incidente, mais fraco ficaria o caso”.

No dia 4 de julho, a família de Adeel Masih levou o caso ao CLAAS, que recorreu ao distrito policial de Gujranwala. O caso foi levado então para o inspetor geral de Punjab, que o reabriu duas semanas depois.

Amizade culturalmente “inapropriada”

A amizade de Adeel Masih e Kiran Irfan começou há um ano. A mãe do jovem soube do relacionamento seis meses depois e aconselhou o filho a terminá-lo por causa dos perigos. Ela contou à família de Irfan sobre a amizade dos dois, considerada pelas duas famílias como culturalmente inapropriada.

A família de Irfan passou então a atormentar os pais de Masih e ameaçar o garoto de morte caso soubessem que o jovem continuava a manter contato com sua filha. Eles disseram que “não iriam permitir que um homem cristão envergonhasse o islamismo dessa maneira”, de acordo com a CLAAS.

Masih desapareceu no dia primeiro de maio, no caminho para visitar a namorada Kiran Irfan. Seu pai, Mohammed Irfan, e seus dois tios, Muhammad Amjad e Muhammad Riasat, seguiram-no. Eles teriam então raptado o garoto e jogado sua motocicleta em um canal próximo, disse um residente local.

Duas horas depois do desaparecimento do rapaz, a família de Kiran Irfan ligou para seus parentes dizendo que o jovem teria cometido o suicídio perto de um canal, há 40 quilômetros do sul de Gujranwala.

A família o procurou por dois dias com a ajuda de mergulhadores, porém não tiveram sucesso. O corpo de Masih foi encontrado pela polícia no dia 4 de maio em um canal de Hafizabad, há 50 quilômetros do oeste de Gujranwala.

De acordo com parentes de Masih, membros da família da moça mantiveram o jovem em cativeiro e torturaram-no por dois dias.

Marcas de tortura

A autópsia, obtida pelo Compass, apontou que Adeel Masih tinha ferimentos na cabeça e lesões no cérebro. Havia marcas em suas mãos e pés, indicando que ele foi amarrado.

Quando a família do rapaz cristão registrou o caso, acusando os criminosos de assassinato, seqüestro, obstrução da justiça e conspiração, a polícia não tomou nenhuma atitude.

Depois que a autópsia do corpo de Adeel Masih foi feita, de acordo com a CLAAS, a família tentou mais uma vez registrar o caso, mas os policiais disseram que iam primeiro investigar se ele havia cometido suicídio.

Até o dia 20 de maio, quase três semanas após o desaparecimento do jovem, a primeira queixa do crime ainda não havia sido registrada.

As tentativas do Compass de conversar com os oficiais do distrito policial de Gujranwala, onde a família de Masih comunicou o fato, não tiveram sucesso.

Irfan e Riasat serão acusados pela corte local por assassinato, seqüestro, obstrução da justiça e conspiração. A data do julgamento, no entanto, ainda não foi marcada.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE