Igreja paga preço injusto pela manutenção da ordem pública

| 03/09/2008 - 00:00


A Indonésia foi o palco de embates religiosos iniciados em 1999, os quais causaram a morte de mais de 8 mil pessoas. O governo do país com a maior população islâmica do mundo, utiliza leis que protegem as minorias, como os cristãos, e também evita que atitudes extremistas, provenientes de qualquer grupo religioso, ganhem terreno e recriem os conflitos. Ultimamente, houve interesse até em procurar os culpados pela violência e julgá-los como a lei manda.

No entanto, a ordem é mantida à custa da Igreja. Uma lei em vigor no país exige que as congregações cristãs tenham a aprovação da vizinhança para se estabelecerem no lugar desejado. Dois casos recentes exemplificam essa tendência.

Em 17 de agosto, um grupo de muçulmanos invadiu o culto matutino da Igreja Pentecostal da Indonésia, na cidade de Cipayung. Eles retiraram os cristãos do templo à força e colocaram faixas na rua, declarando que baniam “cultos religiosos”. Alguns do grupo invasor eram vizinhos da igreja, mas a maioria não era da região. Um policial da guarda civil e outros policiais estavam presentes, mas não intervieram.

Ocorre que, um mês antes, em 13 de julho, essa congregação recebera ordens da prefeitura de interromper suas atividades. A vizinhança estava descontente com a igreja e exigia que ela fosse demolida.

Sacrifício da liberdade

O fato de o governo favorecer atitudes injustas como essas fez com que o pastor da Igreja Pentecostal da Indonésia, na cidade de Cipayung, Chris Ambessa, desistisse de relatar o incidente na delegacia, já que não espera uma intervenção positiva.

Na mesma cidade, outro exemplo de injustiça. No dia 25 de agosto, a Escola Teológica Evangélica Arastamar (SETIA) foi atacada por pessoas armadas de espadas, facões, varas de bambu e ácido. Nos dois dias que se seguiram, a polícia foi até o lugar para retirar os 1.100 alunos e professores da escola, uma vez que não foi capaz de deter os manifestantes, que continuavam no local. Durante a operação, 20 alunos foram feridos.

Com informações de Compass Direct.

Essas situações mostram que o governo indonésio, embora desejoso de evitar possíveis conflitos, acaba sacrificando a liberdade da Igreja ao não conseguir controlar grupos de muçulmanos revoltosos.

A Igreja sofre nessa situação. Como aconteceu ao pastor Chris Ambessa, ela não tem a quem recorrer, muito menos quem a defenda. Lembre-se da Igreja indonésia em suas orações.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

Home
Lista mundial
Doe
Fale conosco