Filho de mártir iraniano é preso em onda de detenções

Cinco detenções em três cidades iranianas em agosto sugerem uma repressão contínua das autoridades aos cristãos iranianos.

A mais recente das detenções ocorreu em 21 de agosto, quando Ramtin Sudmand, filho do Pastor da Assembléia de Deus martirizado, Hossein Sudmand, entregou-se à polícia após repetidas intimações do Ministério da Informação em Teerã. Desde então, ele permanece preso.

Seu pai, o último cristão iraniano convertido do islã a ser executado pelo governo iraniano, foi acusado de trabalhar como “espião americano”.  Desde então, mais seis pastores protestantes foram mortos por assassinos desconhecidos.

Logo após a prisão Ramtin, sua esposa, Mitra, tentou visitá-lo, mas foi avisada para voltar mais tarde. “Seu esposo irá permanecer por muito tempo na prisão”, autoridades teriam dito a ela.

Ramtin conseguiu realizar apenas um telefonema para sua mãe, que é cega, no dia 23 de agosto. Ele lhe disse que estava bem, mas as autoridades não permitiram que telefonasse para sua esposa.  

Na semana passada, Mitra e duas crianças finalmente receberam permissão para visitá-lo em Teerã. Entretanto, quando lá chegaram, descobriram que somente poderiam falar com ele através de um receptor telefônico, e não puderam vê-lo.

Na conversa que durou dois minutos, Ramtin disse a sua esposa várias vezes: “Eu estou bem, não se preocupe”. Nenhum outro membro da família ou amigos receberam permissão para vê-lo ou falar com ele. Não se sabe ao certo sua condição nem o local aonde permanece preso.

Fontes disseram que as autoridades também não informaram à sua família quais as acusações que pesam contra ele.

Na semana anterior a que Ramtin Sudmand se entregou, outro cristão em Mashhad, Iman Rashidi, foi preso. O paradeiro e a condição de Iman são desconhecidos. Rooz, um site de notícias farsi, relatou que ele tem menos de 18 anos.