Milícia islâmica destrói igreja centenária

Uma milícia islâmica destruiu a catedral de Kisimayo, uma cidade portuária no sul do país.

A catedral havia sido construída por colonizadores italianos, no início do século passado. Ela é a quarta igreja destruída por milícias islâmicas na Somália.

A catedral foi demolida por milicianos na quarta-feira, logo depois das orações que marcaram o fim do mês do ramadã.

"O que aconteceu foi em retaliação à destruição de uma mesquita na cidade de Harar, na Etiópia. Depois de ser destruída, construíram uma igreja em seu lugar”, disse o grupo “Jovem Mujahadeen”, ligado à al-Qaeda. O grupo assumiu a autoria do ataque.

Milícias islâmicas assumiram o controle de Kisimayo no mês passado.

A Somália está entre os cinco países do mundo mais perigosos para as minorias. A minúscula comunidade cristã do país (estima-se que seja menos de 1%) vive escondida, temendo ataques da vasta maioria muçulmana sunita.

Os últimos anos viram uma série de ataques contra cristãos no país. A situação saiu do controle com o assassinato do arcebispo de Mogadíscio, Salvatore Colombo, em 1989.

Tropas do governo têm lutado contra milícias islâmicas desde 2006. Um total de 8 mil civis foi morto e um milhão foi desabrigado, desde o começo do ano passado. A Somália não possui um governo efetivo desde 1991, quando senhores da guerra depuseram o ditador Mohamed Siad Barre.