Irã liberta convertidos, mas tensão continua

| 06/10/2008 - 00:00


A polícia iraniana libertou dois convertidos ao cristianismo, detidos sob acusações de apostasia (abandonar o islamismo).

A libertação se deu uma semana depois de o governo iraniano decidir, em maioria de votos, pela criação de uma lei que introduza a pena de morte a quem abandonar o islamismo.

Mahmoud Mohammed Matin-Azad, 53, e Arash Ahmad-Ali Basirat, 40, foram detidos em maio (veja mais) por terem abraçado a fé cristã.

Andy Dipper, diretor do grupo Release International, que monitora a liberdade religiosa, comentou a boa notícia com palavras cautelosas.

"Estamos encantados com o fato de o Irã ter retirado as acusações contra esses homens. No entanto, há provas de que as coisas ficarão cada vez pior para outros iranianos que buscam liberdade de mudar de religião” – disse Andy.

A libertação deles se deu uma semana após a União Européia emitir uma declaração que exigia que o presidente iraniano reconsiderasse o debate sobre a lei que prevê pena de morte para a apostasia. A declaração também exigia a liberdade de pessoas presas com base em sua filiação religiosa.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE