Em invasão, polícia confisca Bíblias e livros religiosos

Uma igreja batista na cidade de Gulistan, em Syrdarya, região central do Uzbequistão, foi invadida por 12 funcionários do governo durante um culto em 10 de outubro.

“Eles chegaram às 11h15, logo após o término da ceia”, relatou um protestante.

Embora a igreja tenha sido invadida por oficiais de serviços secretos e um representante do Departamento de Justiça Regional, nenhum dos funcionários, exceto Khurshid Khudoyberdiyev do Departamento de Justiça, se identificou. O protestante disse que o pastor da igreja, Viktor Klimov, e outros 18 membros foram forçados a redigir depoimentos.

Os funcionários apreenderam 30 livros de comentários bíblicos, seis Bíblias infantis em russo, duas Bíblias infantis em uzbeque, uma bíblia em grego, um livro intitulado “Como Evangelizar Pessoas Que Vivem na CEI ”, e outro intitulado “História de Missões” e mais oito livros cristãos que encontraram na igreja durante a invasão. A bíblia em grego e as bíblias infantis haviam sido vendidas pela Sociedade Bíblica Uzbeque em Tashkent, uma organização registrada legalmente.

Fontes disseram ao Forum 18 que o departamento de polícia da cidade de Gulistan está coletando provas para processar o pastor Viktor, com base no Artigo 240 do Código Administrativo, por “violar a lei de religião”, e no Artigo 241, por “violar a ordem de ensino de doutrinas religiosas”.

Khurshid, do Departamento de Justiça, insistiu em que, embora a igreja opere sob denominação da União Batista, ela ainda necessita registrar-se individualmente como uma filial. “Eles também não seguem procedimentos corretos ao registrar suas aquisições em seu sistema de escrituração”, disse Khurshid. “Eles compram ou recebem livros de presente, mas não os registram em sua contabilidade. Por muitas vezes, nós os alertamos sobre essas infrações e eles as ignoraram. Agora basta.”

Ele disse ao Forum 18 que “individualmente, Viktor não fez nada de errado”, mas, sendo o pastor, ele deve ser responsabilizado pelas infrações. “Viktor será processado por delitos administrativos.”

Perguntado sobre o que acontecerá com os livros confiscados da igreja, Khurshid disse que o tribunal decidiria.

A congregação de Gulistan é uma das muitas comunidades religiosas por todo o país que têm sido impossibilitadas de obter um registro do Estado. A Lei de Religião do Uzbequistão, em afronta aos compromissos do país com os direitos humanos, proíbe todas as atividades religiosas não-registradas e as “transgressões” conduzem a penalidades severas de acordo com o Código Criminal ou o Código de Transgressões Administrativas.

A igreja de Gulistan tem enfrentado freqüentes invasões, multas e difamações por meio da mídia controlada pelo Estado.