Quarenta e oito famílias cristãs correm risco de perder suas proprieda

A Autoridade de Desenvolvimento de Lahore (LDA) notificou cerca de 48 famílias cristãs em Lahore, no dia 28 de outubro de 2008, para deixarem suas casas no período de 72 horas (três dias). Até o momento desta publicação, nenhuma das famílias havia acatado a ordem.

O bairro será destruído a fim de abrir caminho para a duplicação da estrada principal, na cidade de Quid-e-Azam. Violando a lei dominante no Paquistão, entretanto, o governo não está oferecendo a essas famílias nenhuma compensação.

Mansha Bhagat,67, presidente do Masih Itehad do Paquistão (Unidade Cristã Paquistanesa), disse a à agência de notícias International Christian Concern (ICC): “Jamais permitiremos nossas casas sejam demolidas pela administração, uma vez que o governo local não nos trata como cidadãos, e que também não recebemos instalações  básicas”.

Ele continua: “Nossos ancestrais se sacrificaram por nós e enfrentaram muitas dificuldades para construir esta colônia. Agora, nos é impossível deixar esse lugar para os criminosos.”

 Mansha começou a chorar e disse: “Eu serei o primeiro a me colocar na frente dos tratores quando vierem demolir nossas casas.”

Ele pediu às autoridades que loteassem terrenos alternativos com instalações básicas, como compensação para todas as famílias afetadas.

Algumas mulheres na vizinhança começaram a chorar e a falar contra o governo, quando viram a mídia chegar. Elas exigiam compensação razoável por suas casas e um prazo realista para a mudança. Um grande número de pessoas já começou a se mudar para localidades vizinhas, com medo de perder tudo o que têm.

Uma viúva de 47 anos disse: “Eu comprei essa casa de dois cômodos há dois anos. Moro com os meus cinco filhos e não tenho nada a não ser essa propriedade. Eu lavo pratos e limpo casas para poder sustentar a casa e os estudos dos meus filhos. Isso é uma injustiça. O governo deveria atear fogo em nós em vez de demolir nossas casas.”

O correspondente do ICC viu várias pessoas empacotando e retirando seus pertences com lágrimas nos olhos e aparência abatida. Várias famílias levaram seus pertences para casas de parentes, mas estavam determinados a ficar em suas próprias casas, mesmo que isso significasse a morte.

Eles reclamaram que as crianças estão passando por severa ansiedade emocional e não podiam ir à escola. Três crianças se recusaram a falar com ICC e começaram a chorar, pensando que o correspondente era alguma autoridade que vinha demolir suas casas. O grupo de aproximadamente 70 pessoas anunciou que cometeriam suicídio coletivo se suas casas fossem demolidas.