Cristãos iraquianos refugiados na Turquia encontram dificuldades

Na cidade turca de Kurtulus, a língua árabe pode ser ouvida nas ruas. As placas de trânsito são impressas no alfabeto árabe e iraquianos se reúnem em casas de chá.

A maioria desses iraquianos não é muçulmana e não está na Turquia por livre escolha. São refugiados cristãos que deixaram sua terra natal para escapar da violência que cresce contra eles.

É difícil dizer quantos desses cristãos foram para Istambul devido à recente onda de ataques, mas encontrá-los não é difícil. Um refugiado iraquiano de meia-idade que fugiu de Mosul há cinco meses freqüenta a Igreja Ortodoxa Síria na região de Tarlabasi, onde ciganos, travestis e imigrantes do leste da Turquia vivem na esperança de encontrar uma vida melhor na cidade.

Sem querer se identificar, ele disse que não há futuro para os cristãos no Iraque, e que quase todos que ele conhecia queriam deixar o país. Segundo ele, a única esperança para os cristão é países ocidentais abram suas portas aos refugiados.

“Não temos esperança”, ele disse, “Se essas portas não se abrirem, seremos mortos.”

Desde outubro, a violência em Mosul tirou mais de 12 mil cristãos de suas casas e matou mais de 20 pessoas. Em virtude da violência, os cristãos iraquianos imigram para a Turquia antes de se estabelecer permanentemente em outro país, geralmente precedidos por alguns familiares.

Semanas após a fuga dos cristãos da cidade de Mosul para outros vilarejos, para a Turquia e para outras nações, cerca de um terço das famílias relatou que retornou à cidade devido à presença de 35 mil militares e às ofertas de dinheiro feitas pelo governo iraquiano.

Embora a violência no Iraque tenha diminuído por causa da chegada de mais tropas norte-americanas no ano passado, a fuga dos cristãos para a Turquia aumentou. Um terço dos 18 mil refugiados registrados no país procede do Iraque.

Estranhos em uma terra estranha

O refugiado iraquiano anônimo de Tarlabasi disse que nem mesmo o apelo dos padres o fez ficar em Mosul.

“A Igreja no Iraque não pode impedir as pessoas de partir porque ela mesma não garante nossa segurança”, ele disse.

Esse homem foi para Istambul com sua família, mas ainda tem um filho e uma filha adultos e Mosul. Ele espera se encontrar com seu irmão nos Estados Unidos em breve.

Um grupo de refugiados iraquianos em uma casa de chá na região de Kurtulus, em Istambul, interrompeu seu jogo de cartas para falar com a agência de notícias Compass sobre seus problemas.

“Não conseguimos encontrar trabalho”, disse Jalal Toma, nascido em Bagdá. Ele apontou para um jovem sentado à mesa com eles e disse: “Esse aí trabalha carregando caixas e transportando coisas. O máximo que ele recebe é metade de um dia de trabalho”.

Todos eles cristãos caldeus, um rito católico oriental criado no norte do Iraque, e vieram de Mosul há poucos meses. Estão em subempregos e, para sobreviver, dependem da ajuda financeira de familiares que vivem em outros países.

Eles tiveram de fugir de suas casas rapidamente, levando consigo apenas sua família e deixando carros, casas e a maioria de suas posses. Os homens esperam encontrar familiares que moram no exterior, mas têm pouca esperança de voltar ao Iraque.

É comum que os cristãos iraquianos trabalhem ilegalmente, tornando-se vulneráveis a extorsão.

Refugiados em Istambul dizem que os candidatos ao asilo político podem trabalhar legalmente, mas é normal que os empregadores atrasem no pagamento de seus salários ou os retenham totalmente, uma vez que os estrangeiros têm pouca proteção policial.

O governo turco cobra uma taxa de moradia de U$ 460 por ano e não permite que os refugiados deixem o país até que essa quantia seja paga, fazendo com que fiquem no lá por mais tempo.

Com todos esses obstáculos, para encontrar um emprego estável, muitos refugiados iraquianos quase não têm onde morar.