Governo proíbe edição de jornal católico em malaio

Um jornal católico na Malásia recebeu ordem do governo para cessar sua edição na língua malaia até que seja resolvido, no tribunal, um processo sobre a proibição do uso da palavra “Alá” no mesmo.

Entenda o caso.

O padre Lawrence Andrew, editor do jornal Herald, disse que a medida é apenas uma da série de restrições colocadas pelo governo muçulmano conservador ao renovar a licença do jornal em 30 de dezembro último.

O Herald circula entre os 850 mil católicos do país e quase perdeu sua licença no ano passado por usar a palavra "Alá" como tradução da palavra "Deus". As autoridades dizem que “Alá” só pode ser utilizada por muçulmanos.

"A Constituição diz que o malaio é o idioma nacional. Sendo assim, por que não podemos usar o idioma nacional na Malásia?", ele disse à AFP.

Padre Lawrence diz que a censura é "inaceitável" e que pretende recorrer.

Ele também afirma que a medida não faz sentido porque a maioria dos católicos na Malásia é da etnia bumiputera, falante do malaio.

A questão será decidida no tribunal neste mês de janeiro, enquanto alguns funcionários de órgãos públicos acompanharão as atividades do Herald.

Cerca de 60% dos 27 milhões de habitantes do país são da etnia malaia, a qual domina o governo. O restante da população é composto por descendentes de chineses e indianos, praticantes do budismo, cristianismo e hinduísmo.