Lei de apostasia sob discussão

| 17/02/2009 - 00:00


Em um artigo recente, um intelectual muçulmano questionou as leis apóstatas, e apresentou suas dúvidas sobre o assunto. O estudioso, Dr. Abdul Hamid al-Ansari disse:

“A lei de apostasia afirma que um muçulmano que rejeita o islã deve ser morto.” Mas al-Ansari desconsiderou essa lei como uma ‘arma política usada durante o primeiro século contra a oposição, contra escritores, intelectuais e jornalistas. Ele disse que muitos muçulmanos renunciaram o islã durante a vida do profeta Muhammed, mas ele não os matou. Os apóstatas que foram condenados à morte pelo profeta estavam sendo punidos pelos crimes cometidos contra muçulmanos ou por se unirem aos inimigos para lutarem contra eles, e não por abandonarem o islã. O Alcorão defende a pluralidade de religiões. A pena de morte para os apóstatas não é mencionado no livro. Ele apenas alerta uma possível punição, mas não neste mundo. Existem mais de 200 versos no Alcorão apoiando a liberdade religiosa.

Al-Ansari também admitiu que as minorias religiosas nos países árabes não desfrutam de todos os direitos do cidadão. “A inauguração da primeira igreja em Qatar foi recebida com uma onda de ódio. Temos que concordar que as minorias religiosas em nossa comunidade estão sujeitas à perturbação quando realizarem seus ‘rituais’ religiosos”, diz.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE